31 de outubro de 2009

INFLUÊNCIAS

Na questão de número 459 de O Livro dos Espíritos, os mentores que assistiam Allan Kardec nos fornecem a notícia de que os espíritos influem tanto em nossos atos e em nossos pensamentos que frequentemente são eles que nos dirigem. Portanto, todos nós na fase evolutiva em que nos situamos, estamos sujeitos a essa influenciação espiritual, muito mais do que podemos imaginar. O apóstolo Paulo dizia que: “temos a nos rodear uma grande nuvem de testemunhas” (Hb 12:1) Desde as culturas mais remotas, encontramos referências à influência exercida por seres invisíveis que ora nos ajudam, ora nos prejudicam.
Sabemos que esses invisíveis são espíritos que agem em conformidade com suas tendências e desejos.
Somos como ondas de rádio e sempre nos sintonizamos na freqüência que escolhemos. A lei da afinidade preponderá esta relação.
Normalmente esses seres participam de nossas experiências, tomam partido em nossas querelas, influem em nossas decisões, e os fazem pelos condutos de nossos pensamentos, convivendo conosco sem que o saibamos, já que muitas idéias, desejos e iniciativas são filhas de suas sugestões.
Temos, portanto, de vigiar incessantemente nossos atos e pensamentos, procurando sempre pautar nossas vidas em favor do bem e do amor aos nossos semelhantes.
Ao agirmos como cristãos estaremos nos precavendo dos dissabores das más companhias, resguardando assim nossa casa mental contra malfeitores e desocupados do além.
É comum, em nossas Casas Espíritas, inúmeras pessoas serem informadas de que seus problemas, dores e aflições estejam relacionados à presença desses inimigos invisíveis que sempre os assediam, buscando desforras na maioria das vezes, por situações pretéritas.
A morte física desses inimigos não nos alivia de suas vinganças e perseguições além túmulo. O provérbio; “morto o animal, morto o veneno” não é verdadeiro, nesses casos.
A chamada obsessão que nada mais é que o domínio exercido por estes espíritos sobre os homens se dá devido ao nosso descuido. Quando nos deixamos levar por suas más sugestões, abrindo nossa guarda por pensamentos e atitudes menos dignas, esses inimigos ocultos invadem nossa casa mental e nos atormenta incessantemente.
Quando estamos vazios de idéias superiores com auto-estima baixa e vazios de motivação existencial, esses inimigos aparecem sorrateiramente nos trazendo muita dor e sofrimento.
Certa feita, Chico Xavier preocupado com a nefasta influência destes verdadeiros “hóspedes” de nossa casa mental, perguntou ao espírito Emmanuel qual seria os melhores antídotos para nos precaver desse verdadeiro flagelo, e a resposta de Emmanuel foi conclusiva: “Trabalho, prece e renovação”. O trabalho é realmente de suma importância, pois com ele ocupamos nossa mente. A prece nos eleva e nos protege, e a renovação advém da mudança de rumos e atitudes que nos impulsionam rumo à nossa evolução.
Pratiquemos o bem! Façamos aos nossos semelhantes o que gostaríamos que ele nos fizessem e confiemos em Deus, colocando nossas vidas em suas mãos, conscientes de que Ele sempre nos confia o melhor.

30 de outubro de 2009

DOIS DE NOVEMBRO


"O dia de Finados” não tem origem em ensinamentos dos Espíritos. Derivou da festa católico – romana de 1º de novembro – "Dia de todos os Santos".
Quando da destruição dos templos pagãos, em Roma, um entre todos foi poupado, porque constituía obra –prima de arquitetura e riqueza. Construído por Marco Agripa, denominava-se – Panteão e nele, a 1º de novembro, era celebrada, pelos pagãos, com excessos, a "festa de todos os deuses". O Papa Bonifácio IV obteve-o, por doação do Imperador Focas e fê-lo purificar, recolhendo a ele os tesouros e despojos mortais das catacumbas dos cristãos e consagrou-o a Santa Maria dos Mártires. Nesse templo (que estivera fechado durante dois séculos) Gregório IV, em 835, instituiu em antítese, a "festa de todos os santos", em homenagem aos santos que não tinham culto em dia destacado no calendário, universalizada depois para todo o orbe católico. Mas, para que não ficassem esquecidos ante Deus os fiéis da Igreja e os pecadores, foi estabelecido que no dia seguinte, 2 de novembro, se fizessem no templo orações em intenção desses mortos.
Só em 998, dez séculos depois do Cristo, o Abade da Ordem dos Beneditinos, em Cluny, instituiu, em todos os mosteiros da Ordem, na França, a "comemoração dos mortos", o "dia de finados", nesse 2 de novembro, culto que a Santa Sé aplaudiu e oficializou para todo o Ocidente. Assim foi o mundo profano levado a cultuar os seus mortos (outrora enterrados nas igrejas e em "campo santo") num dia determinado, quiçá na ingênua, ilusória esperança de que os Espíritos desencarnados fruiriam venturas celestiais, recebendo, nas covas das necrópoles, as flores e as luzes das velas, que, não raro, exalam hipocrisia e iluminam as trevas das maldades e rancores de quem as acende. O tempo decerto conseguirá esculpir nos corações o ensinamento dos mestres da espiritualidade, fazendo com que as criaturas regressem à sincera e modesta maneira de encarar e reverenciar o nascimento e o decesso dos seres na face da Terra, práticas desvirtuadas pelas deturpações dos interessados e dos ignorantes. Os antigos tinham intuição ou ensinamentos bem mais aproximados do verdadeiro modo de interpretar o sentido da vida e da morte dos seres humanos.
Heródoto (o denominado – Pai da História) diz que, na Trácia remota (território cujas fronteiras estão hodiernamente diluídas numa das províncias da Turquia), o nascimento de uma criança reunia a família em torno do berço para, por entre lágrimas e tristeza, lamentar as provações a que viera o recém-nascido; enquanto que o falecimento de um ente querido era saudado jubilosamente, na antevisão de que o Espírito liberto iria fruir as venturas e galardões do Além.
O Espiritismo contemporâneo veio encontrar o automatismo dos costumes e estipulações seitistas, consuetudinárias, que obscurecem de algum modo o lídimo sentido espiritual da vida e da morte; mas, suavemente, sem contundir a sinceridade dos que ainda não evoluíram para a integral espiritualidade, irá encaminhando as Almas para a verdadeira comunhão com os chamados mortos.
Não está nos cemitérios o mundo dos Espíritos. Ali apenas podem permanecer transitoriamente os cegos desesperados, cujo passamento não os pôde desligar da matéria em decomposição. Fora dali, no indefinível templo do nosso coração é onde devemos orar pela paz e pelo esclarecimento dos Espíritos liberados do corpo. Mas, principalmente, pelos sofredores.
Os Espíritos de Luz, aqueles que misericordiosamente, ajudam os grilhetas da Terra, descem pela escada espiritual das nossas preces, dos nossos pensamentos de abnegada solidariedade com os chagados da alma, que gemem nos ergástulos da dor e do remorso, com os surdos e cegos, que ainda não ouviram, nem lobrigaram as harmonias iluminadas da Verdade que as "vozes do silêncio" entoam para glória de Deus e bênção dos arrependimentos. Em cada dia da existência, nas horas de recolhimento, oremos pelos tristes, pelos abandonados que, na desolada noite de sua provação, não conheceram amor, carinho, consolo, bálsamo para as suas dores de alma.
Deixemos os cemitérios onde se dissociam as moléculas da carcaça humana, e pensemos no Mundo do Alto, de onde tudo vem para a Terra e aonde sobem, de regresso, as refrações de todos os diferentes mundos dispersos no Infinito.
Espiritualizemos os estágios da existência terrena, mantendo o recôndito do nosso ser em ressonância com o mundo espiritual de amanhã, vivendo em harmonia com os imperativos naturais da matéria, conservando, porém, o Espírito alertado para a devida obediência às leis que regem, nas trajetórias das vidas sucessivas.
Ante a morte do corpo, não nos impressionemos com o fogo-fátuo, que é luz da matéria e que não pode ficar dentro da cova; busquemos o santelmo, Luz do Alto, que se acende no cimo dos mastaréus, na vastidão dos mares, com as fosforescências que têm contato nas rutilâncias das claridades celestiais.
Não façamos treva onde a vida se ilumina; não choremos ante o corpo inerte, porque o Espírito se está movendo no júbilo da libertação. Os espíritas não podem esquecer o simbólico ensinamento do Mestre: "...deixai que os mortos enterrem seus mortos" (Mateus, 8:22).
A comemoração que, rotineiramente, se celebra, a dois de novembro, deve ser substituída pela permanente comemoração dos - vivos verdadeiros- porque a noite da morte do corpo é a alvorada esplêndida do Espírito, despido da negra libré do cárcere, imergindo nas suaves, eternas claridades da aurora redentora...

28 de outubro de 2009

PRECIOSAS ADVERTÊNCIAS

A coragem de dizer as coisas como devem elas ser ditas, com a responsabilidade de sua posição na hierarquia do mundo, deve ser contabilizada a favor dos que a demonstram.
Entendemos seja este o caso. Folheávamos o "Jornal do Brasil" e lá fomos encontrar o extrato de uma conferência proferida em um estabelecimento de estudo humanístico do Colorado, EE.UU, por sua Majestade, a Imperatriz Farah Pahlevi, do Irã. Do texto em português recordamo-nos de alguns trechos que darão idéia precisa de sua mensagem. Assim:
"A raça humana, hoje, está à mercê dos efeitos desconhecidos das suas próprias invenções - invenções que são cegas às suas próprias conseqüências e quanto aos meios de retificá-las."
Refere-se ela ao "abismo que tende a separar cada vez mais o mundo tecnológico da herança espiritual da civilização”. Diz que "pela enorme acumulação de conhecimentos da nossa época, surgem blocos isolados de conhecimento especializado que permanecem muitas vezes impenetráveis entre si."
Longe de condenar a ciência e a tecnologia, de pregar um retorno ao "estado de natureza", aceita ela o desafio da esfinge moderna e por isso prega:
"O problema que está diante de nós é o de reconciliar o computador com as exigências de uma espiritualidade em que se baseia a própria substância da vida humana."
A visão segura da nobre autora se justifica como uma advertência ao mundo inteiro, mais ainda aos que têm as graves responsabilidades da Cátedra, da condução dos jovens pelo caminho brilhante da ciência. A ciência materialista, atéia, do interesse imediatista, do homem-número, do homem-máquina, que pretendeu que Deus houvesse morrido, que espera achar o Espírito como produto químico ou biológico das células, essa esquece as exigências de uma espiritualidade em que se baseia a própria substância da vida humana.
Enquanto o homem devassa a antimatéria, descobre o corpo bio-plástico, dividido por Kardec em suas Obras Básicas, enquanto a eletrônica se especializa para receber as mensagens de uma outra forma de Vida, o mundo se angustia nos abismos de uma técnica avançada que mecaniza tudo mas não resolve, que polui os ares e os mares, as mentes e o soma ...e que já não divisa os rumos a tomar.
Que os jovens universitários de hoje se voltem, à vista de tão graves advertências, às causas do Espírito, que não são incompatíveis, que não lhes depreciam a cultura, que nada têm de crendices baratas, que não poderão comprometer-lhes as bases científicas do aprendizado, porque também a, ciência é divina em seu esforço criativo em prol do conhecimento e do bem-estar da Humanidade.
Cremos que a misericórdia de Deus virá, que o homem atônito reencontrará o caminho, e a prova de que algo se faz nesse sentido é à repercussão que está tendo a palavra conscienciosa que partiu de uma, criatura profundamente humana, elevada à alta dignidade do Trono de um pais de tradição milenar, que pode sentir a cultura dos povos através dos tempos e que vai dizer isso de um outro lado do mundo, onde domina a técnica.
Preservemos os valores espirituais da Humanidade - seria em suma o seu apelo.
Nós, espíritas, estamos sentindo isso há bastante tempo e estamos dando para tanto o nosso concurso através dos esclarecimentos que constituem a essência do ensinamento doutrinário.
A responsabilidade da Cátedra na Educação materialista que vem constituindo o requinte da moda, essa será ajustada em termos da própria Lei de Causa e Efeito. Aqui nos basta citá-la.
Imagine-se agora se nos decidíssemos a extinguir o movimento jovem no seio da Doutrina, deixando os nossos filhos sem a motivação necessária e entregues à avalancha do materialismo ministrado clara ou sutilmente nas Escolas Superiores, onde tantas vezes é vergonhoso falar nos valores positivos do espírito eterno. Essa responsabilidade cresceria na proporção de nossa incúria.
Valham-nos tão preciosas advertências. Ouçamos a Imperatriz.

Revista Internacional de Espiritismo – Janeiro de 1976

26 de outubro de 2009

O PARALÍTICO DA PISCINA


“Havia uma festa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. Ora, em Jerusalém, junto à porta das ovelhas, há um tanque, que em hebraico se chama Betsaida, o qual tem cinco alpendres. Nestes jazia um grande número de enfermos, cegos, coxos, paralíticos, esperando que se movesse a água. Porque descia um anjo em certo tempo ao tanque, e agitava a água; e o primeiro que entrava no tanque, depois de se mover a água, ficava curado de qualquer doença que tivesse. Achava-se ali um homem, que havia trinta e oito anos estava enfermo. Jesus, vendo-o deitado e sabendo que estava assim desde muito tempo, perguntou-lhe: Queres ficar são? Respondeu-lhe o enfermo: Senhor, não tenho ninguém que me ponha no tanque, quando a água for movida; mas enquanto eu vou, outro desce antes de mim. Disse-lhe Jesus: Levanta-te, toma o teu leito e anda. Imediatamente o homem ficou são, tomou o seu leito e começou a andar. Era sábado aquele dia, pelo que disseram os Judeus ao que havia sido curado: Hoje é sábado, e não é lícito levar o teu leito. Ele respondeu: Aquele que me curou, esse mesmo me disse: Toma o teu leito e anda. Eles lhe perguntaram: quem é o homem que te disse: Toma o teu leito e anda? Mas o que havia sido curado, não sabia quem era, porque Jesus se tinha retirado, por haver muita gente naquele lugar. Depois Jesus o encontrou no templo e lhe disse: Olha, já estás são; não peques mais; para que te não suceda coisa pior. O homem foi dizer aos judeus que Jesus era quem o havia curado. Por isso os judeus perseguiram a Jesus, porque fazia estas coisas nos sábados. Mas Jesus disse-lhes: Meu Pai não cessa de agir até agora e eu também; por isso, pois, os judeus procuravam com maior ânsia tirar-lhe a vida, porque não somente violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.”
(João, V, 1-18.)

O progresso humano tem como base a Revelação. Ela a luz que em todos os tempos tem iluminado as gerações para que conheçam os esplendores divinos.
Sem Revelação não há Ciência, nem Arte; não há Filosofia, nem Religião.
Na infância do Espírito, a Revelação é como um véu que deixa passar unicamente uma certa porção de luz, para que não se lhe ofusque o entendimento; mas, à medida que o Espírito evolui; à proporção que a inteligência se desenvolve, o sentimento se aperfeiçoa e o Espírito cresce em conhecimentos, a Revelação lhe abre horizontes novos, auxiliando sua ascensão para a posse da liberdade total no seio dos espaços infinitos.
Se consultarmos a História da Ciência, veremos que os novos inventos e as novas descobertas são oriundos da revelação pessoal, cujo executor, Espírito missionário que aqui veio para tal fim, não é mais que um emissário do invisível que, no momento da realização de sua tarefa, é cercado dos Mensageiros da Imortalidade para o bom cumprimento da tarefa que veio desempenhar.
A navegação marítima e aérea; a locomoção terrestre pelo vapor e pela eletricidade, aí estão como provas do que dizemos, do progresso que nos anima bafejado pelo calor intenso da Revelação.
A Arte de hoje está mais aperfeiçoada que a de ontem.
Novos instrumentos têm facultado aos homens trabalho que ontem lhes seria impossível executar.
O mesmo se vê na Filosofia e na Religião. Segundo a Lei Mosaica e o atraso daquela época, Deus vingava a iniqüidade dos pais nos filhos até a 3a geração”.
Por essa ocasião proclamava-se a lapidação de adúlteras na praça pública e prevalecia a lei da resistência: “dente por dente, olho por olho”.
Depois, com a evolução religiosa, os profetas, sob o influxo da Revelação, ou seja, da comunicação dos Espíritos encarregados do progresso humano, projetaram mais intensamente a sua luz, até a recepção do Cristianismo, doutrina excelente que não se pode comparar ao Mosaísmo.
Daí a distinção da Velha e da Nova Dispensação: Antigo e Novo Testamento.
A Nova Dispensação marca uma nova era no mundo; pois, abolidos os artigos e parágrafos do Código Antigo, que lesavam a Lei do Perdão e da Caridade e proclamados estes Preceitos como único meio de salvação, deu-se Deus a conhecer na magnitude de seu amor, confirmando o que dissera pela boca do profeta: “Não quero a morte do ímpio, mas sim que o ímpio se converta e se salve.” (Ezequiel, XVIII, 23.)
Na escala evolutiva dos conhecimentos religiosos, como em todas as manifestações do pensamento, a evolução, seja no terreno material ou no plano espiritual, não faz transições bruscas. Com muita razão disse o filósofo: Natura non facit saltus, “A Natureza não dá saltos”.
A leitura da História Religiosa vem em apoio desta afirmação.
Na junção do Mosaísmo com o Cristianismo aparece a figura majestosa de João Batista, o maior dos Profetas, ora com o machado em punho a cortar pelas raízes as árvores estéreis, ora de pá, charrua e picareta, derrubando outeiros, arrasando montes, nivelando vales, de modo a aplainar veredas novas ao intelecto humano, onde a semente do Cristianismo deveria germinar, brotar, crescer, florescer e frutificar!
Entrelaçando num mesmo elo as verdades religiosas proclamadas na Antiga Lei com as erigidas pela Nova Lei, o Profeta separa e exclui, como quem separa o joio do trigo, as idéias nocivas ao desenvolvimento humano, para que possam prevalecer as verdades promissoras que o Cristo gravou nos corações dos que querem seguir seus passos amorosos.
Em torno dessas verdades se reuniram os humildes, os sedentos de justiça, os famintos de verdades novas, os sofredores vencidos ao peso do mundo, os aflitos a quem as trevas oprimiam a razão, os perseguidos por amor à Justiça, todos os que, extasiados ante a grande figura do Profeta, tomaram novas veredas, que deveriam conduzi-los a Jesus.
E foi para estes que o Mestre prometeu o galardão nos Céus; foi para estes que reservou as bem-aventuranças, inclusive a graça de serem chamados filhos de Deus, e de verem a Deus.
Enfim surgiu o Cristianismo, que apresenta uma concepção de moral inexcedível, embora no sentido filosófico e científico (pois o Cristianismo é Filosofia, Ciência e Religião). Mas o Cristo não disse tudo, dado o atraso do povo de então. Foi o que deu motivo à Terceira Revelação, a mais extraordinária e pujante manifestação da Vida na Eternidade.
A Humanidade não para a sua marcha e quando parece deter-se por um instante, as águas se agitam ao influxo dos anjos e os coxos continuam a caminhar em busca da perfeição!
Existia em Jerusalém uma fonte que o povo considerava milagrosa; segundo acreditavam, periodicamente descia àquelas paragens um anjo, que movimentava as águas: o enfermo que se achasse no tanque no momento em que se movia a água, de lá saía completamente são.
Como é natural, uma romaria de estropiados procurava na água de Betsaida a cura para seus males.
Dentre um número avultado de coxos, cegos e paralíticos, que lá se achavam à espera que a água se moves-se, estava um homem que havia 38 anos ficara paralítico.
Jesus, cujos olhares perscrutadores desciam aos foros mais recônditos da consciência humana, tomado de compaixão pelo mais enfermo de todos os doentes e o mais desprotegido que lá estava, e para dar um ensinamento que deveria repercutir através das gerações, sem aguardar a agitação das águas, ele próprio, revestido do poder que lhe vinha de Deus, deliberou curar o paralítico, cujos 38 anos haviam sido de martírio e, portanto, de reparação dos pecados que havia cometido. E com um gesto de generosidade se dirige ao enfermo e lhe diz: “Queres ficar são?”
O doente, com sua crença infantil e sem conhecer aquele que consigo falava, lhe responde: “Senhor! Não tenho quem me ponha no tanque quando a água se mover.”
Disse-lhe então Jesus: “Levanta-te, toma o teu leito e anda.” E imediatamente, ao influxo da Divina Palavra, a paralisia desapareceu; os membros desataram-se-lhe e o homem ficou são!
São muitos os ensinamentos que colhemos deste episódio. No primeiro realça o fato físico da cura, que ultrapassa todo o entendimento humano; no segundo, o ensino moral que a Nova Revelação salienta e explica, tal como nenhuma outra filosofia é capaz de fazer.
A poderosa ação de Jesus, cuja autoridade sobre os Espíritos maléficos era extraordinária, aliada à manipulação dos fluidos atmosféricos convertidos em substância medicamentosa, explica a cura do enfermo há tantos anos paralítico.
A Fluidoterapia já representa hoje um papel de destaque na Medicina e os próprios médicos não desconhecem o seu valor, embora lhe dêem nomes novos, como sugestão, hipnotismo, etc. Esse método de curar foi usado pelos apóstolos e discípulos de Jesus, e os médiuns-curadores dele se utilizam, atualmente, com grande proveito.
O Espiritismo, revelando à Humanidade onde haurir as forças e consolações nas vicissitudes da vida, ensina que podemos perfeitamente, por intermédio dos mensageiros de Deus, conseguir a cura de nossos males.
Não há milagres nesta ordem de fatos, mas simplesmente fenômenos de uma natureza toda espiritual, que os inscientes não podem compreender por não se dedicarem ao estudo de suas leis e à investigação de sua origem.
Encarado pelo lado científico, o fato aí está, tal como narra o Evangelho, e em Ciência não é costume admitir-se unicamente palavras; exigem-se fatos, e fatos que se possam verificar, como aconteceu ao do paralítico da piscina, o qual não passou despercebido aos sacerdotes do tempo de Jesus.
Encarando a narração do Evangelho pelo lado moral, perguntamos a nós mesmos: por que só um enfermo mereceu a graça de cura sem a agitação das águas, enquanto os outros permaneceram esperando o momento azado para entrar no tanque?
É que, sem dúvida, todos os que ali estavam, como acontece ainda hoje com a maioria dos enfermos que buscam as curas espíritas, buscavam unicamente a cura do corpo, a cura dos males físicos, enquanto que o paralítico provavelmente não só desejava a liberdade do corpo, como também a do Espírito.
A “água movida” poderia restabelecer o físico, mas, como matéria que é, não atingia a alma. É o que acontece às águas de várias fontes, mesmo do nosso país — Caldas, Lindóia, Caxambu, Cambuquira.
As nossas águas termais curam também os que têm dinheiro e que delas se abeiram em estações. Os que não o têm, ficam ao redor das piscinas sem terem quem os ponha nos tanques, ao moverem-se as águas, mas, muitas vezes, recebem do Alto a virtude que os liberta dos males. E assim como a água do Poço de Jacó não saciava e nunca saciou completamente a sede da samaritana, a água da piscina, a seu turno, não podia também curar completamente os enfermos; era uma cura aparente, exterior, que deixava os enfermos, sujeitos a moléstias ainda mais graves.
Mas o ponto principal do trecho evangélico é que, sem entrar na piscina, o paralítico havia 38 anos, ficou são.
Mas qual o motivo, já perguntamos, por que Jesus limitou a cura a um, quando tantos se achavam em redor da piscina? Seria porque Jesus não poderia ou não quereria curar os outros?
É, talvez, porque só o paralítico, pela sua crença estivesse apto a receber a cura, e os outros, não. É, com certeza, porque os outros não acreditavam que Jesus pudesse curá-los, e tivessem mais fé na água da piscina do que no Mestre; preferiam a água material à espiritual!
Pode ser ainda porque os demais, em grande atraso espiritual e moral, rejeitaram as exortações do Mestre, pois não era costume ir Jesus curando cegamente sem anunciar aos enfermos a Palavra da Vida.
Parece não haver dúvida sobre esta hipótese da exortação. As palavras do Mestre, ao encontrar-se ele com o paralítico no templo — “Olha, não peques mais para que te não suceda coisa pior”, dão indício de que houve, por ocasião da cura, exposição doutrinária que enunciou o motivo da moléstia.
Ocorrendo a cura do paralítico num sábado, os Judeus, que eram fiéis observadores dos dias, das horas, das práticas exteriores e ritos de sua Igreja, revoltaram-se contra Jesus por haver “violado o sábado”, e quiseram impedir o “curado” de levar sua cama. Mas os recém-sarado, sem obedecer ordens subalternas, limitou-se a responder: “Aquele que me curou, disse — Toma o teu leito e caminha.”
“Ele me disse que caminhasse, eu não posso deixar de ouvir sua palavra para ouvir a vossa, que nunca teve poder de me curar, nem mesmo de me colocar no tanque quando a água se movia.”
Voltando à recomendação de Jesus — “Olha, não peques mais para que não te aconteça coisa pior”, parece querer o Mestre dizer ao paciente, como nos íamos referindo, que aquela enfermidade tinha por causa o pecado que ele cometera.
Cessada que foi a ação do pecado, sob a palavra de Jesus, cessou imediatamente a moléstia, sendo restituída a liberdade ao doente.
Mas os judeus eram cegos de Espírito, não viam o que Jesus lhes mostrava; como acontece com a maioria da Humanidade atual, ainda semelhante a um rebanho de ovelhas cegas guiado por cegos, os judeus, em vez de aprenderem a lição que lhes era oferecida, deliberaram perseguir a Jesus, sob o pretexto de que ele curara num sábado!
Então o Mestre dirige-se animosamente a eles e diz-lhes: “O meu pai não cessa de agir”, quer dizer: “O que está descrito na vossa Lei, que Deus descansou no 7o dia, após a criação do mundo, não é verdade, porque Deus, o meu Pai, trabalha sem cessar, e eu também trabalho sempre.”
E assim, prodigalizando a todos os momentos de sua vida na Terra, lições substanciosas e edificantes aos que dele se acercavam, Jesus estabeleceu o amor a Deus e a Caridade, princípios básicos da Religião que devemos abraçar.

17 de outubro de 2009

COMPORTAMENTO AGRESSIVO NA INFÂNCIA

A AGRESSIVIDADE DAS CRIANÇAS PODE SER REFLEXO DE OUTRAS ENCARNAÇÕES?
QUAL 0 PAPEL DOS PAIS E DOS EVANGELIZADORES NA EDUCAÇÃO DELAS?

Sandra SaIIes

Entrevista realizada no canal IRC #Espiritismo

Como nos orienta a doutrina espírita, somos espíritos em evolução, trazendo conosco as conquistas e as dificuldades acumuladas em vidas passadas. Na infância, o espírito se mostra com uma inocência aparente, porém, suas tendências, inclusive agressivas, vão se acentuando com o passar da idade.
Corno pais e educadores, nosso papel é tentar auxiliar a criança em seu processo de auto educação, usando os impulsos agressivos no sentido construtivo, isto é, da luta e da coragem, não da destruição, visando um progresso moral.
Sabemos que o comportamento agressivo é extrema¬mente complexo e tentamos aqui apenas iniciar alguma compreensão. Devemos ter o cuidado de não fazermos nenhuma avaliação apressada, pois existem doenças que podem favorecer ou manifestar atitudes hostis. De qualquer forma, lembramos que a agressividade reflete sempre um pedido de socorro, atenção ou ajuda e, enquanto espíritas, nosso compromisso e de não estimulá-la e não permitir que ela nos contagie, pois o melhor combate e aquele que usa o amor, capaz de frustrar e ate neutralizar qualquer atitude hostil.
Normalmente, uma criança com comportamento agressivo é colocada como indesejável por muitos evangelizadores. Qual a postura ideal neste caso?
Sandra Salles — Tal comportamento é um pedido de socorro. Ao pesquisar as motivações da criança, o evangelizador deve se propor, neste momento em que lembramos de Jesus, que não são os sãos, mas os doentes que precisam de remédio. 0 ideal é não rotular a criança de forma alguma e percebê-la como alguém com maior necessidade de atenção, aceitação e empatia. Além disso, sabemos que os modelos positivos tem muito mais persuasão do que qualquer medida de recriminação ou punição.
Como ajudar os pais que pensam que freqüentar um centro espírita modificará o comportamento dos filhos?
Sandra SaIIes — Envolvendo-os e orientando-os nas reuniões de pais, que tem apresentado excelentes resultados, pois possibilitam a troca de experiências e, muitas vezes, mudanças radicais.
A agressividade pode esconder uma carência emocional da criança, como, por exemplo, necessidade de afeição, de toque e de calor humano? Como dar esse carinho que a criança necessita se, ao buscá-lo, ela mesma dificulta com a atitude agressiva?
Sandra SaIIes — Dentro do possível, devemos tentar mostrar urna certa indiferença com o comportamento agressivo em si e transmitir o que temos de melhor, como doçura, aceitação e compreensão, ate ganharmos a confiança da criança e, conseqüentemente, a permissão dela para uma aproximação mais efetiva, tanto física como emocional. Conheci urna criança que chegou a escola de evangelho cumprimentando a todos com pontapés e tal conduta desapareceu quando se mostrou à criança que poderia ser aceita com carinho independentemente de sua atitude, que, na verdade, era reprodução do tratamento recebido em casa. Entretanto, aprendendo manifestações mais “simpáticas” com outras crianças, como abraçar e dizer “Oi”, Seu comportamento se modificou. Ao mesmo tempo, solicitou-se a criança que não machucasse ninguém, da mesma forma que jamais seria machucada.
O comportamento agressivo sempre está relacionado com as vidas passadas?
Sandra SaIIes — Sim, tendo em vista que somos espíritos e nada do nosso passado é descartado, mas não como uma relação determinista, pois o meio pode exercer uma influência muito importante na manifestação ou não da agressividade. No entanto, é o espírito, com o livre arbítrio, que fará suas escolhas, ainda que, na infância, elas sejam volúveis em função da fase. É neste sentido que não devemos descuidar da evangelização infantil
Às vezes, nos centros espíritas, vemos crianças agressivas com o próprio Espiritismo, não sendo, entretanto, agressivas com pessoas em seu trato pessoal. Como lidar com esses casos na evangelização infantil?
Sandra SaIIes — Algumas crianças vão obrigadas para a evangelização e, por isso, mostram-se resistentes. Acre¬ditamos que seja importante insistir com elas para que participem, mas devemos escutá-las para entender melhor tanta negativa, pois, normalmente, as atividades de evangelização são muito agradáveis e bem aceitas. Às vezes, isto reflete um desejo de contrariar os pais, daí a importância de tentarmos cativar a criança de tal maneira que ela goste do trabalho e esqueça de seus “conflitos particulares”.
Na educação de uma criança, principalmente a com comportamento agressivo, é importante que ela freqüente um centro espírita para tentar conduzi-Ia de forma correta sob as leis morais de Cristo. Mas se ela impõe uma resistência, devemos insistir ou desistir?
Sandra Salies — Devemos insistir, assim como insistimos para outras atividades também importantes, como a es¬cola. Porém, tal insistência deve se revestir do estímulos agradáveis e conversas que visem esclarecer a criança do quanto tal participação será importante para ela, ainda que hoje não consiga avaliar. Bezerra do Menezes afirma que este é o cuidado que não deve falhar, reforçando a orientação da doutrina de que a paternidade é uma missão e que devemos fazer tudo o que jul¬gamos benéfico para os nossos filhos.
Como um evangelizador deve proceder quando uma criança é violenta e agride os demais, inclusive os maiores que tentam acalmá-la dentro do grupo infantil?
Sandra SaIles - O evangelizador deve procurar ser bastante tolerante, mas deixar claro os limites, o que é educativo para tal criança. Nestes casos, é interessante contar com o apoio de outro evangelizador e com muita paciência, já que o trabalho no bem é sempre apoiado e nossa perseverança haverá de ser recompensada.
O comportamento agressivo de muitas crianças tem origem em seu espírito ou na educação recebida peio meio que a cerca?
Sandra SaIIes— Em ambos, pois, enquanto espíritos encarnados, não podemos descartar nenhuma influência.
Por vezes, adultos agressivos e ate mesmo psicopatas foram crianças aparentemente calmas e retraídas. Se queremos evitar adultos violentos, como diagnosticar essa agressividade na criança se ainda não exterioriza?
Sandra SaIles — Em 0 Evangelho Segundo o Espiritismo, capitulo XIV, item 9, temos que “desde pequenina, a criança manifesta os instintos bons ou maus que traz do sua existência anterior. Ao estudá-los, devem os pais se aplicarem. Todos os males se originam do egoísmo e do orgulho. Espreitem, pois, os pais os menores indícios reveladores do germe do tais vícios e cuidem de combatê-los, sem esperar que lancem raízes profundas”. Portando, precisamos ser amorosos, mas não iludidos, para que não deixemos de perceber tais instintos.
Há crianças que são extremamente violentas em alguns momentos e, em outros, muito carinhosas. Por que essa mudança de comportamento?
Sandra Sailes - Isto revela uma instabilidade emocional típica da criança insegura e que se “protege” com a capa da agressividade. Devemos ajudá-la a adquirir mais auto-confiança e segurança, para que não precisa¬-se recorrer a tais comportamentos.
Uma criança violenta por motivos obsessivos já diagnosticados deve ser afastada da evangelização infantil durante o tratamento de passes e desobsessão?
Sandra Sailes— Não. A evangelização é para todos e não aprovamos nenhuma atitude discriminatória. Entretanto, se sua presença impede que o trabalho seja realiza¬do, a criança deverá receber uma assistência de outro evangelizador, de tal maneira que a atividade não acabe sendo interrompida.
Aquelas “palmadinhas” no bumbum das crianças quando ainda são bem pequeninas ajudam a combater ou agravam a agressividade infantil?
Sandra Sailes - O que conta é o sentimento que a gen¬te exterioriza. Os limites são importantes em qualquer processo educativo, desde que não sejam colocados sob o império da cólera e da violência.

Entrevista Extraída da Revista Internacional de Espiritismo nº 15

13 de outubro de 2009

ESPIRITISMO ESTUDADO

EM MEMÓRIA AOS 83 ANOS DE DESENCARNE DE MANOEL VIANNA DE CARVALHO

Impostergável, nos cometimentos diários, o dever de estudar e aplicar as nobres lições do Espiritismo, no atual estágio da evolução do pensamento.
À medida que as luzes da Doutrina Espírita clarificam o entendimento humano, mais imperioso se torna o cultivo das informações que ressumam da Revelação, a fim de que a ignorância em torno dos problemas do espírito seja em definitivo combatida.
A responsabilidade dos que travaram contato com a Mensagem de Jesus, desvelada e atualizada pelos Espíritos, é muito grande, pois que àquele que usufrui a bênção do esclarecimento não se pode conceder a indulgência da leviandade, nem tampouco a reprochável conduta da indiferença em face das magnas questões que se agigantam em todo lugar.
Até hoje o egoísmo tem exercido sobre o espírito humano um soberano comando, O Espiritismo, preconizando o amor que liberta e a fraternidade que socorre, é o mais severo adversário desse sicário destruidor.
Todavia, para que o adepto do Espiritismo se integre realmente no espírito da Doutrina, exige-se-lhe aprofundamento intelectual no conteúdo da informação espírita, de modo a poder corporificá-la conscientemente no comportamento moral e social, na jornada diária.
Nesse sentido, há que fazer justa quão indispensável diferença entre o Espiritismo e o Movimento Espírita.
Vigem, em muitos setores da prática espiritista, normas e diretrizes ultrajantes à Mensagem de que Allan Kardec foi instrumento do Alto, seja por negligência de muitos dos seus membros, seja pela crassa ignorância daqueles que assumem responsabilidades definidas, ante os dispositivos abraçados, sem os necessários recursos culturais indispensáveis.
Ante a grandeza da Revelação, por estarem acostumados às limitações típicas das seitas do passado, ou porque ainda vinculados às superstições nefandas dos dias recuados, muitos pseudo-espiritas pretendem reduzir a grandeza imensurável do Espiritismo à estreiteza de uma nova seita, em cujo organismo grassem os erros derivados da incompetência e do abastardamento, de que o desconhecimento da Codificação se faz motivação poderosa.
O Movimento Espírita é o resultado do labor dos homens, enquanto o Espiritismo é a Doutrina dos Espíritos dirigida aos homens.
O Espiritismo, pois, não cessemos de repetir, é ciência de observação e investigação incessante. Tateamos agora as primeiras constatações, ante o infinito das realidades que ele busca, devassa e esclarece. Há, ainda e continuamente, infindo campo de informação a perquirir e constatar no eloqüente continente da vida espiritual.
Estudado, o Espiritismo dealba a antemanhã luminosa da humanidade do futuro, desde agora.
Como Filosofia, a sua escola de indagação não se limita às linhas clássicas da discussão, nem se empareda na estreiteza dos conceitos ultramontanos ou do debate limitado, porquanto estas não são as primeiras nem as últimas palavras das elucidações que faculta, nem dos esclarecimentos que oferta.
Religião da ciência, como ciência da filosofia, é, ao mesmo tempo, a filosofia da religião, e sua ética não se estratifica na moralidade das convenções transitórias, nem se resume a dogmas atentatórios à razão.
Com fundamentos na Revelação Moisaica, através do insubstituível código do Decálogo, sempre oportuno e novo em toda a sua elaboração — segurança para cada homem e arbítrio para todas as nações — abranda, com a excelsa beleza do Evangelho do Cristo, a aspereza severa das antigas leis de Talião, dando cumprimento às promessas dos Profetas e de Jesus.
Doutrina que acompanha o progresso do Conhecimento e estimula novas formas de averiguação e pesquisa, não se detém nas conquistas conseguidas, antes projeta para o mundo das causas as suas alocuções filosóficas, facultando empreendimentos mais audaciosos e profundos, tendo em vista o investimento homem — esse objetivo essencial da sua obstinada busca transcendental.
Convertê-lo em resíduo seitista é desfigurá-lo danosamente, ceifando os elevados objetivos a que se propõe. Mantê-lo em círculo de mediunismo desregrado, significa desconsiderá-lo no aspecto superior das suas realizações: o da pesquisa científica, por cujos roteiros a ciência e a fé se unirão na romagem para a vida e para Deus.
É verdade que se alastram formas primitivas de mediunismo em toda parte, merecendo esta questão mais cuidadoso exame, para melhor serem debeladas as nefastas conseqüências de tal fenômeno. E, por essa razão, maior deve ser o nosso empenho na sadia divulgação dos postulados espíritas, lavrados no estudo sistemático e constante do contexto doutrinário, para que o medicamento com que pretendemos amenizar ou erradicar os males morais da sociedade hodierna, não venha a produzir maiores danos, como resultado da sua má dosagem e aplicação.
A princípio, o Cristianismo foi eficiente remédio aplicado sobre as feridas do Paganismo. A indiscriminada e irracional utilização da Doutrina do Cristo, deformada nos seus pontos básicos, sobre as chagas sociais da época, produziu cânceres mais virulentos do que aqueles que visava a combater e de cujos danos ainda sofrem as comunidades modernas...
Fenômeno consentâneo pode ocorrer nestes dias com o Espiritismo... Sem dúvida, a Doutrina é irreversível e sadia. Todavia, a Boa Nova também o é. . .
Dilatam-se as referências espíritas no organismo social do momento; multiplicam-se as Casas Espíritas; há adesões em massa ao Espiritismo; surgem os primeiros sintomas de cultos espíritas; aparecem fartas concessões ao Espiritismo. . . Respeitando e considerando todas as formas de divulgação, não nos podemos furtar à conclusão de que a quantidade tem recebido maior valorização do que a qualidade, que deve manter o caráter específico de pureza que não podemos subestimar.
O movimento espírita cresce e se propaga, mas a Doutrina Espírita permanece ignorada, quando não adulterada em muitos dos seus postulados, ressalvadas as excelentes e incontáveis exceções.
O que se possa lucrar pela quantidade pode redundar em prejuízo na qualidade.
No que diz respeito ao capítulo das obsessões, aventureiros inescrupulosos se intrometem, inspirados por mentes desencarnadas afeiçoadas à lavoura da perturbação, fazendo que promovam espetáculos lamentáveis, nos quais a mediunidade se transforma em chaga espiritual, por cuja purulência exsudam as misérias pretéritas...
Alardeiam perseguições, esses malfazejos diretores de trabalhos, e, em nome do esclarecimento, apavoram os neófitos, fazendo que, pelo medo e através do desconhecimento do Espiritismo, se vinculem aos seus desafetos desencarnados, mediante a fixação mental ou ao pavor que os dominam, após as incursões inconscientes em misteres de tal monta.
O Espiritismo é doutrina de otimismo, de educação integral, de higiene mental e moral. É o retorno do Cristo ao atormentado homem do século ciclópico da Tecnologia, através dos seus emissários, renovando a Terra e multiplicando a esperança e a paz nas mentes e nos corações que Lhe permaneçam fiéis.
Nos redutos em que o estudo da Doutrina Espírita é considerado desnecessário, afirma-se que êle se faz adversário da cultura e, a pretexto de auxílio aos que sofrem, atenta-se contra a ciência médica, principalmente, reduzindo-o a superstição danosa e inconseqüente.
Destinado aos infelizes, estes não são apenas os que sofrem as dificuldades econômicas e são conhecidos como constituintes das c1asses humildes. A dor não se limita a questões de circunstância, tempo e lugar. Dessa maneira, não prescreve a ignorância, mas proscreve-a. lmpostergável, portanto, o compromisso que temos, todos nós, desencarnados e encarnados, de estudar e divulgar o Espiritismo nas bases nobres com que no-lo apresentou Allan Kardec, a fim de que o Consolador, de que se faz instrumento, não apenas enxugue em nós os suores e as lágrimas, mas faça estancar, nas fontes do sofrimento, as causas de todas as aflições que produzem as lágrimas e os suores.
Nesta aferição de valores, para o elevado mister da divulgação espírita, oremos e vigiemos, conforme a recomendação do Mestre, para que nos desincumbamos a contento do cometimento aceito, dando conta da nossa responsabilidade, com o espírito tranqüilo e a mente pacificada.

Vianna de Carvalho
(Página psicografada pelo médium Divaldo P. Franco, na sessão da noite de 4-11-1970, no Centro Espirita “Caminho da Redenção”, em Salvador, Bahia).
Reformador – Junho de 1971

12 de outubro de 2009

A CRIANÇA

Levantará o homem o próprio ninho à plena altura, estagiando no tope dos gigantescos edificios de cimento armado...
Escalará o fastigio da ciência, povoando o espaço de ondas múltiplas, incessantemente convertidas em mensagens de som e cor.
Voará em palácios aéreos, cruzando os céus com a rapidez do raio...
Elevar-se-á sobre torres poderosas, estudando a natureza e movimento dos astros...
Erguer-se-á , vitorioso, ao cimo da cultura intelectual, especulando sobre a essência do Universo...
Entretanto, se não descer, repleto de amor, para auxiliar a criança, no chão do mundo, debalde esperará pela humanidade melhor.
Na infância, surge, renovado, o germe da perfeição, tanto quanto na alvorada recomeça o fulgor do dia.
Estende os braços generosos e ampara os pequeninos que te rodeiam.
Livra-os, hoje, da ignorância e da penúria, da preguiça e da crueldade, para que, amanhã, saibam livrar-se do crime e do sofrimento.
Filha de tua carne ou rebento do lar alheio, cada criança é vida de tua vida.
Aprende a descer para ajudá-la, como Jesus desceu até nós para redimir-nos.
Se a recuperação da infância para a glória do bem, todo o progresso humano continuará oscilando nos espinheiros da ilusão e do mal.
Não duvides que, ao pé de cada berço, Deus nos permite encontrar o próprio futuro De nós depende fazê-lo trilho perigoso para a descida à sombra ou estrada sublime para ascensão à luz.

Emmanuel
(De: “Taça de Luz” (Espíritos Diversos), de Francisco Cândido Xavier)

9 de outubro de 2009

MISSIONÁRIOS DA LUZ



ALEXANDRE - Desejando aprimorar-se quanto à mediunidade, recebe André Luiz o convite do bondoso mentor Alexandre para acompanhá-lo ao seu núcleo, em momento oportuno.Alimentando indisfarçável curiosidade, e surgida a oportunidade, André vale-se da prestigiosa influência para ingressar no espaçoso e velho salão, onde Alexandre desempenha atribuições na chefia.

O PSICÓGRAFO - Conta André: "Entrei cauteloso, sem despertar atenção na assembléia que ouvia, emocionadamente, a palavra generosa e edificante do operoso instrutor da casa.Grande número de cooperadores velavam, atentos. E, enquanto o devotado mentor falava com o coração nas palavras, os dezoito companheiros encarnados demoravam-se em rigorosa concentração do pensamento, elevado a objetivos altos e puros. Era belo sentir-lhes a vibração particular. Cada qual emitia raios luminosos, muito diferentes entre si, na intensidade e na cor. Esses raios confundiam-se à distância aproximada de sessenta centímetros dos corpos físicos e estabeleciam uma corrente de força, bastante diversa das energias de nossa esfera. Essa corrente não se limitava ao círculo movimentado. Em certo ponto, despejava elementos vitais, à maneira de fonte miraculosa, com origem nos corações e nos cérebros humanos que aí se reuniam. As energias dos encarnados casavam-se aos fluidos vigorosos dos trabalhadores de nosso plano de ação, congregados em vasto número, formando precioso armazém de benefícios para os infelizes, extremamente apegados ainda às sensações fisiológicas.Semelhantes forças mentais não são ilusórias, como pode parecer ao raciocínio terrestre, menos esclarecido quanto às reservas infinitas de possibilidades além da matéria mais grosseira."Solicitado por Alexandre junto aos serviços mediúnicos, André fica inteirado da complexidade de uma comunicação. O mentor designa um grupo de seis entidades, candidatas ao intercâmbio, porém salienta que apenas um médium, em condições perfeitas, se encontra presente à reunião.Objeta André Luiz: "Julguei que o médium fosse a máquina, acima de tudo.""A máquina também gasta - observa o instrutor - e estamos diante de maquinismo demasiadamente delicado."

A EPÍFISE - Conta André: Enquanto o nosso companheiro se aproveitava da organização mediúnica, vali-me das forças magnéticas que o Instrutor me fornecera, para fixar a máxima atenção no médium. Quanto mais lhe notava as singularidades do cérebro, mais admirava a luz crescente que a epífise deixava perceber.
Examinei atentamente os demais encarnados. Em todos eles, a glândula apresentava notas de luminosidade, mas em nenhum brilhava como no intermediário em serviço.Sobre o núcleo, semelhante agora a flor resplandecente, caíam luzes suaves, de Mais Alto, reconhecendo eu que ali se encontravam em jogo vibrações delicadíssimas, imperceptíveis para mim.Estudara a função da epífise nos meus apagados serviços de médico terrestre. Segundo os orientadores clássicos, circunscreviam-se suas atribuições ao controle sexual no período infantil. Não passava de velador dos instintos, até que as rodas da experiência sexual pudessem deslizar com regularidade, pelo s caminhos da vida humana. Depois, decrescia em força, relaxava-se, quase desaparecia, para que as glândulas genitais a sucedessem no campo da energia plena.Alexandre o esclarece: - "Não se trata de órgão morto, segundo velhas suposições. É a glândula da vida mental. Ela acorda no organismo do homem, na puberdade, as forças criadoras e, em seguida, continua a funcionar, como o mais avançado laboratório de elementos psíquicos da criatura terrestre... Enquanto no período do desenvolvimento infantil, fase de reajustamento desse centro importante do corpo perispiritual preexistente, a epífise parece constituir o freio às manifestações do sexo; entretanto há que retificar observações."Aos catorze anos, aproximadamente, de posição estacionária, quanto às suas atribuições essenciais, recomeça a funcionar no homem reencarnado. O que representava controle é fonte criadora e válvula de escapamento. A glândula pineal reajusta-se ao concerto orgânico e reabre seus mundos maravilhosos de sensações e impressões na esfera emocional. Entrega-se a criatura à recapitulação da sexualidade, examina o inventário de suas paixões vividas noutra época, que reaparecem sob fortes impulsos."

DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICO - André Luiz, levado por Alexandre, pode observar algumas demonstrações de desenvolvimento mediúnico.Pode assim observar alguns candidatos e suas particularidades: um, apresentava, não obstante o desejo sincero de desenvolver-se para auxiliar, sinais iniludíveis da ingestão de alcoólicos; outra senhora, candidata a psicógrafa, trazia o ventre deformado tão repleto de alimentos, que André Luiz supôs enxergar ali um vasto alambique, cheio de pastas de carne e caldos gordurosos, cheirando a vinagre de condimentacão ativa; e em outro, finalmente, "bacilos psíquicos de tortura sexual..."Fiquei estupefato." escreve ele. "As glândulas geradoras emitiam fraquíssima luminosidade, que parecia abafada por aluviões de corpúsculos negros, a se caracterizarem por espantosa mobilidade... As mais vigorosas daquelas feras microscópicas situavam-se no epidídimo, onde absorviam, famélicas, os embriões delicados da vida orgânica... Que significava aquele acervo de pequeninos seres escuros? Seriam expressões mal conhecidas da sífilis?"Respondendo às suas indagações íntimas, Alexandre esclarece: "Não, André, não temos sob os nossos olhos o espiroqueta de Schaudinn, nem qualquer nova forma suscetível de análise material por bacteriologistas humanos. São bacilos psíquicos da tortura sexual, produzidos pela sede febril de prazeres inferiores... Tem sido cultivados por esse companheiro, não só pela incontinência no domínio das emoções próprias, através de experiências sexuais variadas, senão também pelo contato com entidades grosseiras, que se afinam com as predileções dele, entidades que o visitam com freqüência, à maneira de imperceptíveis vampiros. ...A pretexto de aceitar o império da razão pura, na esfera da lógica, admite que o sexo nada tem a ver com a espiritualidade, como se esta não fosse a existência em si... O erro de nosso amigo é o de todos os religiosos que supõem a alma absolutamente separada do corpo físico, quando todas as manifestações psicofísicas se derivam da influenciação espiritual..."

VAMPIRISMO - Explica Alexandre: "Sem nos referirmos aos morcegos sugadores, o vampiro, entre os homens, é o fantasma dos mortos que se retira do sepulcro, altas horas, para alimentar-se do sangue dos vivos. Não sei quem é o autor de semelhante definição, mas. No fundo, não está errada. Apenas cumpre considerar que, entre nós, vampiro é toda entidade ociosa que se vale, indebitamente, das possibilidades alheias e, em se tratando de vampiros que visitam os encarnados, é necessário reconhecer que eles atendem aos sinistros propósitos a qualquer hora, desde que encontrem guarida no estojo de carne dos homens."

INFLUENCIAÇÃO - Saindo da reunião de desenvolvimento, André Luiz e Alexandre seguem alguns candidatos a caminho de casa, notadamente o jovem rapaz torturado sexualmente, e qual se ligam duas entidades profundamente inferiores, sua irmã, jovem madura e equilibrada, e sua mãe, egoisticamente vampirizada pelo marido desencarnado. Assim, conhece de perto a triste influenciação espiritual de que são vítimas, mãe e filho, e da capacidade de recepção de idéias superiores por parte da jovem, por manter-se ela em padrão vibratório elevado. Alexandre a utiliza para esclarecer os dois obsidiados, mas eles, desprezando a pouca idade e a inexperiência da jovem, ignoram seus conselhos.

A ORAÇÃO - Neste capítulo, tem André Luiz a feliz oportunidade de compreender melhor os benefícios da oração. O lar do jovem torturado, não obstante as infelizes e pertinazes companhias, permanece fluidicamente protegido, em virtude de sua esposa cultivar o hábito da oração e da vida reta. Amiga de Alexandre, a esposa Cecília vai ao seu encontro, mais tarde, em espírito, e lhe pede auxílio no amparo ao infeliz e desviado companheiro.

SOCORRO ESPIRITUAL - Mais tarde, Alexandre e André são abordados por velha amiga do Instrutor, Justina, que lhe implora auxílio para seu filho Antônio, prestes a desencarnar. Antonio precisa de mais alguns meses na carne, alega, e Alexandre dispõe-se a ajudá-la. Seguem para a residência de Antônio e Alexandre o encontra a beira de mortal apoplexia. Necessita do auxílio de um magnetizador encarnado e para isso solicita o auxílio do irmão Francisco, diretor de um grupo socorrista. Este, ciente da necessidade do momento, traz Afonso, em espírito e, com Alexandre funcionando como verdadeiro magnetizador, transfere para o moribundo os vigorosos fluidos do encarnado.

NO PLANO DOS SONHOS - Conta André: "Após alguns minutos de conversação encantadora, o irmão Francisco acercou-se do orientador, indagando sobre os objetivos da reunião da noite. Segundo informações anteriores, Alexandre dirigiria, naquela noite, pequena assembléia de estudiosos.Quase ao início da preleção, Alexandre é cientificado da ausência de dois companheiros, Vieira e Marcondes, e solícito, manda averiguar o que houve. Destaca Sertório, para tanto, enviando André em sua companhia. Chegando à casa de Vieira, encontram-no apavorado, quase desencarnando de medo frente ao "fantasma" de antigo companheiro, cuja presença evocara no jantar, lembrando-lhe as más qualidades, levianamente. Sertório vem em seu socorro, acordando-o, bruscamente.Marcondes encontra-se em pior situação: entidades femininas da pior espécie, mantêm-no retido no quarto e irritam-se com Sertório, quando este chega para saber do companheiro o que impediu seu comparecimento a palestra da noite. Marcondes desculpa-se, choroso, humilhado e Sertório o deixa ali, à mercê das entidades infelizes, sem despertá-lo, para, na manhã seguinte, a lembrança desagradável mostrar-se mais duradoura, fortificando-lhe a repugnância pelo mal.

MEDIUNIDADE E FENÔMENO - André Luiz calcula em aproximadamente pouco mais de cem encarnados, comparecendo ali pelo desdobramento do sono, constatando, porém que o número de desencarnados mostrava mais vasta expressão. Além do grupo do irmão Francisco, que trouxera os tutelados, outras associações da mesma natureza compareciam com os seus pupilos, interessados em novas instruções. O tema escolhido para a noite: mediunidade e fenômeno. E Alexandre exorta: "Não provoqueis o desenvolvimento prematuro de vossas faculdades psíquicas! Ver sem compreender ou ouvir sem discernir pode ocasionar desastres vultosos ao coração. Buscai, acima de tudo, progredir em virtude e aprimorar sentimentos. Acentuai o próprio equilíbrio e o Senhor vos abrirá a porta dos novos conhecimentos!"

MATERIALIZAÇÃO - Em companhia de Alexandre, André Luiz tem a oportunidade de examinar de perto o fenômeno da materialização, fato que lhe desperta imensa curiosidade. Observa os extremos cuidados com o ambiente, com os assistentes e com a médium, esquema este muito minucioso, envolvendo grande equipe de trabalhadores espirituais. Mas da parte dos encarnados, nota André que o fato não é levado muito à sério: os seus pensamentos, ansiosos por soluções particulares, desequilibram o ambiente, e um assistente, envolvido em emanações alcoólicas, precisa ser isolado especialmente, para não prejudicar a tarefa em curso.

INTERCESSÃO - Narra André: "Certa noite, finda a dissertação que Alexandre consagrava aos companheiros, meu orientador foi procurado por duas senhoras, que foram conduzidas, em condições especialíssimas, àquele curso adiantado de esclarecimentos, porquanto eram criaturas que ainda se encontravam presas ao veículos de carne e que procuravam o instrutor, temporariamente desligadas do corpo, por influência do sono. Eram Etelvina e Ester. A primeira, conhecida de Alexandre, pedia os obséquios do Instrutor para sua prima Ester, para solucionar a estranha morte de seu esposo, em plena via pública.Alexandre se dispõe a auxiliá-las. É cientificado por um humilde visitador desencarnado, de que Raul, o esposo, havia cometido o suicídio. Em companhia de André Luiz, localiza o recém-desencarnado, semi-inconsciente, junto à uma temível horda de vampiros, nas imediações de um frigorífico. O Benfeitor consegue subtraí-lo das mãos dos infelizes e carrega Raul consigo, visando seu despertamento para a nova realidade espiritual.

PREPARAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS - Após desemcumbir-se da tarefa intercessória, Alexandre foi procurado por Herculano, companheiro de elevada expressão hierárquica, no sentido de auxiliá-lo, e à sua equipe, no processo reencarnatório de Segismundo, antigo e querido amigo de ambos. Segismundo, que deveria reencarnar no lar de Raquel e Adelino, para resgatar pesados débitos com o casal, encontrava-se terrivelmente abatido e temeroso, pela reação hostil do futuro pai, que não lhe permitia a aproximação. Alexandre esclarece: "O caso é típico. O drama de Segismundo é demasiadamente complexo para ser comentando em poucas palavras. Basta, todavia, recordar que ele, Adelino e Raquel são os protagonistas culminantes de dolorosa tragédia, ocorrida ao tempo de minha última peregrinação pela Crosta. Em seguida a uma paixão desvairada, Adelino foi vítima de suicídio; Segismundo, do crime; e Raquel, do prostíbulo."Desejando acompanhar o amoroso Benfeitor, André Luiz é instruído a se preparar, previamente, acerca do processo reencarnacionista. Em "Nosso Lar", conduzido por Alexandre, André conhece o Centro de Planejamento de Reencarnações.

REENCARNAÇÃO - André Luiz: "Senti-me ditoso e emocionado quando Alexandre me convidou a visitar, em companhia dele, o ambiente doméstico de Adelino e Raquel, onde se verificaria a reencarnação de Segismundo."Vencidas dificuldades de aproximação entre pai e filho, os Espíritos Construtores dão início ao fascinante processo reencarnacionista de Segismundo. Conta André: "Meu amável instrutor, muito satisfeito com a nova situação, passou a examinar os mapas cromossômicos, com a assistência dos construtores presentes. Em vão procurava compreender aqueles caracteres singulares, semelhantes a pequenos arabescos, francamente indecifráveis ao meu olhar."Alexandre vem em seu socorro: "Este não é um estudo que você possa compreender, por enquanto. Estou examinando a geografia dos genes nas estrias cromossômicas, a fim de certificar-me até que ponto poderemos colaborar em favor de nosso amigo Segismundo, com recursos magnéticos para a organização das propriedades hereditárias."

PROTEÇÃO - No dia imediato à ligação de Segismundo ao novo corpo físico, André Luiz retornou ao lar de Raquel e Adelino, não encontrado, porém, a jovem mulher bem disposta como na véspera. Apuleio, o diretor da equipe de construtores esclareceu: "Nossa irmã Raquel começa a sentir o esforço de adaptação. Por enquanto, e, durante alguns dias, permanecerá indisposta; todavia, a ocorrência é passageira."André observa que, embora mantivesse ela o corpo em posição de repouso, mostrava-se superexcitada, inquieta. "Não conseguirá dormir?" - pergunta. "Mais tarde - responde Apuleio; por agora, terá o sono reduzido, até que se formem os folhetos blastodérmicos. É o serviço inicial do feto e não podemos dispensar-lhe a cooperação ativa."André Luiz tem a feliz oportunidade de acompanhar a gestação de Raquel, e conta: "O desenvolvimento da futura forma de Segismundo compelia Raquel a verdadeiros sacrifícios orgânicos; contudo, em cada noite, pela madrugada, repetiam-se as excursões espirituais que ela e o filho recebiam dos afetos de nosso plano. O trabalho de Herculano mereceu a cooperação de inúmeros amigos. Rara a noite em que não vinham Espíritos, agradecidos a Segismundo, velar pela harmonia de sua nova reencarnação, prestando à casa, aos pais e a ele os mais variados auxílios."

FRACASSO - Verificando o aproveitamento de André no caso Segismundo, Alexandre, sempre gentil, e procurando propiciar ao pupilo novos esclarecimentos, busca saber de Apuleio de algum caso de reencarnação junto a companheiros outros, distantes da responsabilidade moral observados no lar de Raquel e Adelino. E Apuleio lembra o caso Volpini. "Volpini -, diz - atingiu agora o sétimo mês de gestação da nova forma física, mas a noite próxima será decisiva para ele. Já recebi um apelo dos colaboradores que ficaram nas imediações do caso, no sentido de evitar certas extravagâncias da futura mãe, projetadas para hoje; entretanto, não creio sejamos por ela obedecidos. A organização fetal não se encontra em condições de suportar novos desequilíbrios, e, se a pobrezinha não despertar para o dever, abrirá, ainda hoje, uma terceira falência. Se André puder vir conosco, dar-nos-á muito prazer.André Luiz acompanha a imensa luta por preservar o vida de Volpini, porém a mãe, embriagada pelos prazeres fúteis, disposta a gozar a vida a qualquer preço, sai novamente, para mais uma noitada exótica.Então Volpini espírito é retirado da organização fetal e Cesarina, no dia seguinte, é internada às pressas, em gravíssimas condições. Fortemente impressionado, André fica sabendo que a infeliz acabara de dar à luz uma criança morta.

INCORPORAÇÃO - André Luiz: "Prosseguindo em meus estudos sobre os fenômenos mediúnicos de variada expressão, sempre que meus serviços habituais mo permitiam, regressava à Crosta, aprendendo e cooperando no grupo em que Alexandre funcionava na qualidade de orientador."Assim, ele tem a oportunidade de apreciar, de perto, um caso de incorporação mediúnica. Dionísio, antigo membro do grupo, já desencarnada, tem sua visita solicitada, com insistência, pelos companheiros ainda encarnados. Alexandre alerta para as dificuldades que poderão advir do intento. A médium destacada para a tarefa é Otávia, cuja autenticidade mediúnica, em outros tempos, fora posta em dúvida pelo próprio Dionísio. Acertados todos os detalhes, Dionísio é conduzido para a residência de Otávia, poucas horas antes da reunião. André Luiz, surpreso, conta que a médium se encontrava em delicado estado emocional, devido às agressões de seu marido Leonardo, homem violento e obsidiado. Restauradas suas forças, e perfeitamente sintonizada com o comunicante da noite, a reunião é levada a efeito, com Dionísio expressando-se emocionadamente através de Otávia.Mas, para decepção geral, amigos e parentes do desencarnado duvidam da manifestação mediúnica, insinuando tratar-se de mistificação.

DOUTRINAÇÃO - Terminavam os trabalhos de uma das reuniões comuns de estudos evangélicos, quando uma entidade muito simpática acercou-se de Alexandre e André Luiz: era mãe afetuosa, em busca do auxílio do abnegado Instrutor, visando uma nova doutrinação para Marinho, seu filho, e que fora padre na Crosta. A pobre mulher declara-se cansada, em profunda exaustão espiritual e Alexandre, penalizado, dispõe-se a auxiliá-la.Alexandre destaca Necésio, habilidoso trabalhador desencarnado, e experiente na tarefa de estabelecer contatos preliminares com entidades revoltadas. Marinho, triste habitante de ruínas sombrias, com outros companheiros de batina, deixa-se envolver pela simpatia e pelos argumentos de Necésio. Conduzido à uma Casa de doutrinação, revolta-se e tenta retroceder, mas os benfeitores organizam elementos para a materialização de sua mãe, quedando-se Marinho, afinal, em lágrimas ardentes de arrependimento e desejo de renovação.

OBSESSÃO - André: "A conselho de orientadores experimentados, o agrupamento a que Alexandre prestava preciosa colaboração, reunia-se, em noites previamente determinadas, para atender aos casos de obsessão. Era necessário reduzir, tanto quanto possível, a heterogeneidade vibratória do ambiente, o que compelia a direção da casa a limitar o número de encarnados nos serviços de benefício espiritual.""Todo obsidiado é um médium, na acepção legítima do termo?" - pergunta André, e Alexandre esclarece: "Médiuns, meu amigo, inclusive nós outros, os desencarnados, todos o somos, em vista de serviços intermediários do bem que procede de mais alto, ou portadores do mal, colhido nas zonas inferiores, quando caímos em desequilíbrio. O obsidiado, porém, acima de médium de energias perturbadas, é quase sempre um enfermo, representando uma legião de doentes invisíveis ao olhar humano. Por isso mesmo, constitui, em todas as circunstâncias, um caso especial, exigindo muita atenção, prudência e carinho."Na reunião, presentes os obsidiados, em número de cinco: dois deles, uma senhora relativamente jovem e um cavalheiro maduro, demonstravam enorme agitação, dois outros, ambos moços e irmãos pelo sangue, pareciam completamente imbecilizados, e, por fim, uma jovem que se controlava com esforço, ante o assédio de que era vítima.Do grupo, ressalta Alexandre que apenas a jovem obterá algum benefício da reunião, por estar ela procurando a restauração das forças psíquicas, por si mesma. "Não está esperando o milagre da cura sem esforço e, não obstante terrivelmente perseguida por seres inferiores, vem aproveitando toda espécie de ajuda que os amigos de nosso plano projetam em seu círculo pessoal." - esclarece o Instrutor.

PASSES - Em companhia de Alexandre, André tem igualmente a oportunidade de assistir ao trabalho de passes. Observando os trabalhadores espirituais, envoltos em túnicas muito alvas, como enfermeiros vigilantes, André indaga de Alexandre se aqueles trabalhadores apresentam requisitos especiais. O Instrutor esclarece: "Sim, na execução da tarefa que lhes está subordinada, não basta a boa vontade, como acontece em outros setores de nossa atuação. Precisam revelar determinadas qualidades de ordem superior e certos conhecimentos especializados. O servidor do bem, mesmo desencarnado, não pode satisfazer em semelhante serviço, se não conseguiu manter um padrão superior de elevação mental contínua, condição indispensável à exteriorização das faculdades radiantes. O missionário do auxílio magnético, na Crosta, ou aqui em nossa esfera, necessita ter grande domínio sobre si mesmo, espontâneo equilíbrio de sentimentos, acendrado amor aos semelhantes, alta compreensão da vida, fé vigorosa e profunda confiança no Poder Divino. Cumpre-me acentuar, todavia, que semelhantes requisitos, em nosso plano, constituem exig6encias a que não se pode fugir, quando, na esfera carnal, a boa vontade sincera, em muitos casos, pode suprir essa ou aquela deficiência, o que se justifica, em virtude da assistência prestada pelos benfeitores de nossos círculos de ação ao servidor humano. Ainda incompleto no terreno das qualidades desejáveis."Apresentado a Anacleto, diretor dos trabalhos de passe, André pode analisar de perto o caso de uma senhora que havia discutido violentamente com o esposo, encobrindo, dessa forma, o coração e a válvula mitral com tenuíssima nuvem negra fulminatória, suscetível de ocasionar-lhe perigosa enfermidade. Observa também um homem, portador de temperamento muito vivo, e que na busca do domínio próprio, devido a conflitos recentes, produziu pensamentos terríveis e destruidores, que segregaram matéria venenosa, imediatamente, para o seu ponto orgânico mais fraco, o fígado. Além, acompanha o atendimento à jovem mulher grávida, pobre e desnutrida, à qual são fornecidos elementos nutritivos, para ampará-la e ao bebê. Finalmente, é levado a conhecer um caso de "décima vez": um cavalheiro, apresentando grave perturbações no baço, dado à discussões e provocações, e que já havia sido atendido nove vezes, anteriormente, com o socorro preciso ao desequilíbrio orgânico.

ADEUS - Narra André: "Esperava a continuidade de meus novos estudos, em companhia de Alexandre; todavia, com surpresa, o meu amigo Lísias foi portador de um convite que me destinara o caritativo instrutor. Tratava-se de uma reunião de despedidas."Não consegue deixar de experimentar sentimentos passionais, frente à notícia. Lísias, no entanto, o portador da novidade, o adverte: "Nada de egoísmo, André! Sabemos que Alexandre se ausentará em serviço, mas ainda mesmo que sua excursão fosse muito longa e plenamente consagrada ao repouso recreativo, cabe a nós outros, seus devedores, a participação da alegria de seus elevados merecimentos."André Luiz, reanimado pela palavra esclarecedora de Lísias, comparece, à noitinha, para a formosa reunião de despedidas. Com ele, os discípulos de Alexandre, sessenta e oito colegas, entre eles quinze mulheres. Após a palavra comovida de Alexandre, e o abraço carinhoso e individual, a sua prece encerra o encontro:"Senhor, sejam para o teu coração misericordioso todas as nossas alegria, esperanças e aspirações!"

7 de outubro de 2009

DESENCARNAÇÃO

I - Definição
Ao encarnar, o espírito se liga à matéria através de seu perispírito e sob a influência do princípio vital.
Quando o corpo não mais lhe puder oferecer condições de permanência, o perispírito se desligará dele e o espírito liberto, retornará ao mundo espiritual.
Desencarnação, portanto, é o processo pelo o qual o espírito se desprende do corpo, em virtude da cessação da vida orgânica e, conservando o seu perispírito, volta à vida espírita.

II - Separação da alma e do corpo
O desprendimento do perispírito em relação ao corpo:
a) opera-se gradativamente, pois os laços fluídicos que o ligam ao corpo não se quebram mas se desatam :
b) processa-se dos pés para a cabeça, sendo o cérebro o último ponto a se desligar.
No insante da agonia, quando esse desligamento está processando, o desencarnante costuma ter uma visão panorâmica, rápida e resumida mas viva e fiel, dos pontos principais da existência terrena que está findando.
Logo após a desencarnação, o espírito entra em um estado de perturbação espiritual. Como estava acostumado às impressões dos órgãos dos sentidos físicos, fica confuso, como quem desperta de um longo sono e ainda não se habituou, de novo, ao ambiente onde se encontra. A lucidez das idéias e a lembrança do passado irão voltando, à medida que se destrói a influência da matéria.

III - O que influi no processo da desencarnação.
O processo todo da desencarnação e reintegração à vida espírita dependerá:
a)Das circunstâncias da morte do corpo
Nas mortes por velhice, a carga vital foi-se esgotando pouco a pouco e, por isso, o desligamento tende a ser natural e fácil e o espírito poderá superar logo a fase de perturbação.
Nas mortes por doença prolongada, o processo de desligamento também é feito pouco a pouco, com o desligamento paulatino da vitalidade orgânica, e o espírito vai-se preparando psicologicamente para a desencarnação e se ambientando com o mundo espiritual que, às vezes, até começa a entrever, porque suas percepções estão transcedendo ao corpo.
Nas mortes violentas (acidentes, desastres, assassinatos, suicídios, etc.) o rompimento dos laços que ligam o espírito ao corpo é brusco e o espírito pode sofrer com isso e a perturbação tende a ser maior. Em casos excepcionais (como o de alguns suicídas), o espírito poderá sentir-se " preso" ao corpo que se decompões, o que lhe causará dolorosas impressões.
b)Do grau de evolução do espírito desencarnante
De modo geral, quanto mais espiritualizado o desencarnante, mais facilmente consegue desvencilhar-se do corpo físico já sem vida. Quanto mais material e sensual tiver sido sua exitência, mais difícil e demorado é o desprendimento.
A perturbação natural por se sentir desencarnado é menos demorada e menos dolorosa para o espírito evoluído. Quase que imediatamente ele reconhece sua situação, porque, de certa forma, já vinha libertando da matéria antes mesmo de cessar a vida orgânica (vivia mais pelo e para o espírito). Logo retoma a consciência de si mesmo, percebe o ambiente em que se encontra e vê os espíritos ao seu redor. Para o espírito pouco evoluído, apegado à matéria, sem cultivo das suas faculdades espirituais a perturbação é difícil, demorada, sendo acompanhada de ansiedade, angústia, e podendo durar dias, meses e até anos.
O conhecimento do Espiritismo ajuda muito o Espírito na desencarnação, porque não desconhecerá o que se está passando e poderá favorecer o processo, sem se angustiar desnecessariamente e procurando recuperar-se mais rápido da natural perturbação. Entretanto, a prática do bem e a consciência pura é que pode assegurar um despertar pacífico na Pátri Espiritual.

IV - A ajuda espiritual
A bondade divina, que sempre prevê e provê o que precisamos, também não nos falta na desencarnação.
Por toda a parte, há Bons Espíritos que, cumprindo os desígnios divinos, se dedicam à tarefa de auxiliar na desencarnação os que estão retornando à vida espírita.
Alguns amigos e familiares( desencarnados antes) costumam vir receber e ajudar o desencarnante na sua passagem para o outro lado da vida, o que lhe dá muita confiança, calma e, também, alegria pelo reencontro.
Todos receberão essa ajuda, normalmente, se não apresentarem probelemas pessoais e comprometimento com espíritos inferiores. Em caso contrário, o desencarnante às vezes não percebe nem assimila a ajuda ou é privado dessa assistência, ficando à mercê de espíritos inimigos e inferiores, até que os limites da lei divina imponham um basta à ação destes e o Espírito rogue e possa receber a ajuda espiritual.

V - Depois da morte
Após desligar-se do corpo material, o espírito conserva sua individualidade, continua sendo ele mesmo com seus defeitos e virtudes.
Sua situação, feliz ou não, na vida espírita será consequência da sua existência terrena e de suas obras. Os bons sentem-se felizes e no convívio de amigos; os maus sofrem a consequência de seus atos; os medianos experimentam as situações de seu pouco preparo espiritual.
Através do perispírito, conserva a aparência da última encarnação, já que assim se mentaliza. Mais tarde, se puder e desejar, a modificará.
Depois da fase de transição, poderá estudar, trabalhar e preparar-se para nova existência a fim de constinuar evoluindo.

Extraido
INFORMATIVO ESPÍRITA

 

6 de outubro de 2009

SANGUE DE JESUS TEM PODER

Acompanhem o desenrolar do debate com mais um fanático dono da verdade. Que inicia enviando um e-mail ao Portal do Espírito, para o qual fomos convidados a dar nossa opinião:
--------------------------------------------------------------------------------
-----Mensagem original-----
De: maxbethoven@iespana.es [mailto:maxbethoven@iespana.es]
Enviada em: quarta-feira, 31 de março de 2004 20:14
Para: ajuda@espirito.org.br
Cc: webmaster@espirito.org.br
Assunto: Espiritos
E aí prezados amigos, vocês tem condições de responder ao meu e-mail? se sim, leiam-no até o fim.
Vocês acreditam mesmo nesta de espíritos??? Não será o Demônio os enganando???
Será que os vivos tem contatos com os mortos??? Deus permite isso????
Porque será que a bíblia condena o espiritismo???? heim????
??????????????????

Eu não acredito nisto, e antes que me perguntem não sou católico nem evangélico, sigo a religião de Deus e Jesus Cristo, será que uma pessoa que tem fé mesmo em Jesus Cristo, pronunciar este nome na frente dos demônios que estão encarnados em vocês em suas seções, eles continuarão a agir? será que se fosse uma coisa realmente do bem, eles suportariam a pronuncia do nome de cristo? que isso... palhaçada a suas, se deixam enganar demais pro meu gosto
--------------------------------------------------------------------------------
----- Original Message -----
From: Webmaster do Portal do Espirito
To: maxbethoven@iespana.es
Sent: Thursday, April 01, 2004 6:50 PM
Subject: RES: Espíritos
Caro amigo,
Agradecemos seu aviso, obviamente teremos que levar em consideração suas palavras, pois se fala com tanta propriedade, só pode ser uma pessoa séria, daquelas que já viu, estudou e se aprofundou em tudo o que se refere ao assunto, com a paciência e perseverança de um observador consciencioso.
Estamos certos que para poder falar assim, saiba tanto sobre espiritismo quanto qualquer um de nós, adeptos instruídos, tendo adquirido seu conhecimento na profunda observação dos fenômenos, comparando as diversas correntes e vertentes.
Obviamente, ao chegar a tamanha certeza, não haverá absolutamente nenhum fato que possamos lhe apresentar que já não tenha visto, estudado e analisado, não há argumento que não tenha cogitado e cuja refutação possa nos fazer, não por mera negação, mas por meio de outros argumentos mais convincentes.
Assim, poderá então nos indicar, para toda a extensão dos fatos averiguados, que tão diligentemente observou, estudou e analisou, uma causa mais lógica que esta que nós, meros ignorantes espíritas, cremos encontrar.
Mas...
Se não se enquadra em TODOS os aspectos que reportamos acima, então ficará difícil argumentarmos, pois estará falando apenas daquilo que VOCÊ crê, sem sequer saber de todos os fatos, estará tentando nos impor SUAS idéias, sem no entanto ao menos tentar conhecer as NOSSAS, condição esta que, obviamente, não aceitaremos e para a qual não temos tempo.
De qualquer forma, estamos encaminhando cópia desta mensagem a um de nossos colaboradores, talvez ele possa trocar idéias com você em suas bases, fica a cargo dele decidir isso.
Muita paz.
--------------------------------------------------------------------------------

-----Mensagem original-----
De: maxbethoven@iespana.es [mailto:maxbethoven@iespana.es]
Enviada em: sexta-feira, 2 de abril de 2004 18:50
Para: Webmaster do Portal do Espirito
Assunto: Re: Espíritos
ok amigo, fico grato pelas belas palavras, mas só quis dar um toque a vocês, agora eu pergunto, se existe reencarnação, quem encarnou nos filhos de Adão e Eva já que antes deles não existia seres humanos???? e se você não acredita em Adão e Eva, quem será que encarnou nos primeiros e segundos seres humanos do planeta??????????? pergunta difícil para ser respondida heim?
--------------------------------------------------------------------------------
----- Original Message -----
From: Webmaster do Portal do Espirito
To: maxbethoven@iespana.es
Sent: Monday, April 05, 2004 9:52 AM
Subject: RES: Espíritos
Caro amigo,
Segundo a ciência, e a própria razão, não tem sentido a idéia de Adão e Eva na forma literal, pois se assim fosse os filhos deles teriam que ter casado entre si, geração após geração, o resultado seria desastroso, pois neste caso 10 a 15 por cento da humanidade teria problemas físicos ou mentais severos devido à consangüinidade. E ainda assim não haveria explicação para as diferentes raças, pois obviamente digamos que eles fossem brancos, não teriam como ter gerado filhos negros ou asiáticos (por favor, não venha nos citar a estorinha do filho do Noé que caiu num barril de alcatrão e por isso criou-se a raça negra, nem crianças acreditam nisso). A genética e a paleontologia já provaram que todos descendemos de uma longa linha evolutiva, com mais de 200 mil anos.
Assim, temos que ler a Bíblia como ela deve ser lida, de forma figurada, Adão pode até ter existido, mas evidentemente foi o precursor, o fundador de um determinado povo ou tribo, e não o pai da humanidade.
Quanto à encarnação primária, essa é ainda mais fácil.
Disse-nos Jesus: "Há muitas moradas na casa de meu Pai". Que lhe parece que ele quis dizer com isso?
Só na nossa galáxia existem 200 MILHÕES de estrelas, digamos que apenas uma fração mínima dela, 1%, tenha planetas e desta fração, outra tão pequena, apenas 1% disso, tenham vida, resulta em 20 MIL planetas de onde poderiam ter vindo espíritos para povoar o nosso.
E olhe que existem, segundo o entendimento da ciência, 70 BILHÕES de galáxias, muitas delas milhares de vezes maiores do que a nossa. Faça uma continha e verá que há muitos locais de onde poderiam ter vindo os espíritos.
Ou você acha que o universo inteiro foi criado apenas para nós?
Além disso, aprendemos pela Codificação Espírita que Deus está sempre criando, sempre há espíritos novos surgindo para povoar novos mundos que são criados, infinitamente. Infelizmente nossa pequena capacidade mental não consegue entender estes conceitos de infinito e eterno, mas dá para ter uma idéia.
De qualquer forma agradecemos seu "toque", mas como pode ver não somos ignorantes que têm medo de sombras crêem em gnomos, mas pessoas sérias e estudiosas, que avaliam e pesam tudo o que nos é apresentado, antes de aceitar qualquer coisa.
Talvez, apenas a título de curiosidade, devesse um dia visitar uma casa espírita kardecista, estamos certos que se surpreenderá.
Muita paz.
--------------------------------------------------------------------------------
-----Mensagem original-----
De: maxbethoven@iespana.es [mailto:maxbethoven@iespana.es]
Enviada em: segunda-feira, 5 de abril de 2004 19:46
Para: Webmaster do Portal do Espirito
Cc: Webmaster do Portal do Espirito
Assunto: Re: Espíritos
Eu conheço a seita de vocês, aqui na cidade o meu ex-patrão tem uma, Fala de Alan Kardec né? eu conheço muito bem, mas para colocar uma pedra no assunto, você poderia me responder este e-mail em anexo que eu enviei para o seu amigo e pelo jeito ele não quis ou não teve capacidade de responder
Agora se Adão e Eva não existiu, vai ver o homem veio do Macaco né? e se fosse isso porque será que hoje em dia isso não acontece? se fosse isto mesmo, de cavalo nasceria Camelos, de Passarinhos, nasceria galinhas, e tudo mais, né? veja em anexo o e-mail que seu amigo Paulo da Silva Neto Sobrinho não conseguiu responder. (grifo nosso).
--------------------------------------------------------------------------------
----- Original Message -----
From: Webmaster do Portal do Espirito
To: maxbethoven@iespana.es
Sent: Tuesday, April 06, 2004 7:45 AM
Subject: RES: Espíritos
Lá vamos nós, de novo.
É interessante isso, como ainda somos pegos nessas arapucas sem sentido, já havíamos nos prometido em não perder tempo nessas discussões estéreis e sem sentido, e ainda assim entramos nessa, de novo. Realmente interessante, faz-nos pensar na natureza humana e em sua necessidade de combate.
Caro amigo, você, em sua mensagem para nós, ao dizer "veio do macaco", demonstra claramente que não entendeu nada do que lhe ensinaram na escola em ciências sobre teoria da evolução, assim não adianta ficarmos nós aqui, discutindo um assunto que você não tem domínio nenhum, aconselhamos a procurar suas professoras da quinta série e falar com elas, quem sabe depois podemos voltar ao assunto.
Quanto à sua resposta ao colega Paulo, já nos sentimos envergonhados de ter enviado a sua mensagem a ele, pois no que se refere à resposta que você recebeu dele, obviamente você não leu nada, ou se leu não entendeu, limitou-se a repetir as mesmas coisas que disse na primeira mensagem, sem ser capaz de refutar nada do que ele lhe disse, vemos aqui então não é um debate, mas uma tentativa de doutrinação.
Que quer que digamos? que você está certo, que somos uns tolos ? que você, ao nos chamar disso nos fez perceber e mudar nossa atitude ? que décadas de estudo e pesquisa não valeram nada ? que enquanto pessoas como você esbravejam contra o demônio nós, espíritas, estamos lá, no meio da favela, distribuindo sopa aos esfomeados e que isso é errado ?
Melhor finalizar por aqui, não acha?, não pretendemos nem nunca quisemos convertê-lo a nada, gostaríamos apenas de fazê-lo pensar, o que evidentemente você não quer, fique livre para ser o que quiser, mas não creia que apenas balançando a bíblia na nossa cara irá nos convencer.
Não precisa se dar ao trabalho de nos responder, não iremos mais voltar ao assunto, fica apenas nosso agradecimento, pois passaremos a nos policiar mais, evitando erros similares no futuro.
Muita paz.
--------------------------------------------------------------------------------
----- Original Message -----
From: Paulo da Silva Neto sobrinho
To: maxbethoven@iespana.es
Cc: Webmaster do Portal do Espirito
Sent: Friday, April 02, 2004 4:03 PM
Subject: Re: Espíritos
"Maxbethoven",
Em que pese os argumentos da equipe do Portal do Espírito serem suficientes para respondê-lo, se nos permite, faremos algumas considerações:
- "Vocês tem condições de responder"
Essa frase que usa apenas demonstra que você é mais um "iluminado" que pensa ser mais inteligente que qualquer um espírita.
- "Vocês acreditam mesmo nesta de espíritos?"
Não. Na verdade não acreditamos: temos absoluta certeza, provas existem, oportunamente, se for o caso, poderemos apresentar algumas. E aproveitamos para lhe perguntar: poderá nos provar a existência do demônio?
- "Não será o demônio os enganando??"
Só lobos caem em armadilha de lobos. Podemos lhe afirmar que o "demônio" só engana os que acreditam nele, como nós não acreditamos....
- "Será que os vivos tem contato com os mortos?"
Se você não acredita nisso estará colocando Deus proibindo algo que não pode acontecer, dá para perceber o absurdo disso. E, mais, nega as narrativas bíblicas, que com certeza para você é a palavra de Deus, em que o espírito Samuel aparece a Saul, os espíritos Moisés e Elias conversam com Jesus. Além de que, talvez ainda não tenha pensado sobre isso, Jesus depois de morto se comunicou com os seus discípulos, não é mesmo?
- "Deus permite isso?"
É claro que sim, pois se não permitisse não aconteceria de jeito nenhum. Mas quem sabe está querendo insinuar sobre o Deut. 18, 9-14, entretanto, cumpre-nos esclarecê-lo que tal proibição é de Moisés, se fosse de Deus estaria obviamente entre os Dez Mandamentos. E mais, se fosse realmente uma proibição divina Jesus não a teria infringido na ocasião que junto ao monte Tabor conversa com os espíritos Moisés e Elias.
- "Por que será que a bíblia condena o espiritismo?"
Por pura adulteração dos textos sagrados, já que o Espiritismo surgindo em 18.04.1857 não poderia ser proibido uma vez que ainda não existia. A relação que querer fazer entre Espiritismo e as proibições do Deut. 18, 9-14 não faz sentido algum para nós, porque tais recomendações não nos atingem, por não fazermos tais coisas e também porque foram destinadas aos hebreus, não a nós. E quem sabe você não tem conhecimento que em hebraico não existe o termo Espiritismo.
- "Eu não acredito nisto".
Sem querer lhe ofender, é problema seu, não nosso. Mas o fato de não acreditar não faz disso uma verdade. Veja que todo mundo acreditava que no nosso sistema solar só existia nove planetas, entretanto isso não muda a verdade que só veio à tona pelo telescópio Spitzer, que descobriu mais um planeta: o Sedna. A verdade de hoje poderá não ser mais no amanhã.
- "Sigo a religião de Deus e Jesus Cristo"
Coincidência nós também. Só que diferimos no que tange ao respeito que temos pela opinião dos outros em seguir o que quiserem e como quiserem.
- "Pronunciar o nome de Jesus na frente dos demônios"
Nas casas espíritas não há uma única reunião sequer que não se inicia fazendo uma oração dirigida à Deus ou a Jesus, saiba disso para não ficar dizendo sobre coisas que não tem o mínimo conhecimento de como funciona. Vamos lhe contar um fato acontecido com o CATÓLICO italiano Lino Sardos Albertini, advogado, conforme narrativa em seu livro "O Além Existe", quando descreve as comunicações recebidas de seu filho morto por ladrões. Diz ele:

"A PRIMEIRA EPÍSTOLA DE JOÃO"
Para superar o problema de consciência religiosa, alguns dias depois, perguntei a meu filho: "Meu querido André, estou certo de que você sabe que a Igreja pede aos fiéis muita prudência no receber mensagens do além, pelo fato de que não vemos o ente com que estamos em comunicação. E sabe também que eu pretendo ficar rigorosamente no âmbito da Igreja. Por isso, devo levar em conta quando diz, por exemplo, João, em sua primeira epístola: 'Queridos, não acrediteis em todo o espírito, mas examinai os espíritos para ver se são de Deus; porque muitos falsos profetas saíram pelo mundo afora. Nisto se conhece o espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio na carne é de Deus, e todo espírito que divide Jesus não é de Deus, mas é um Anticristo" (1 Jo 4,1-3). Peço-lhe de todo o coração que me diga claramente qual é o seu pensamento sobre o assunto".

A resposta é deveras formidável e edificante:

SOBRE O ASSUNTO POSSO CONFIRMAR TUDO. REALMENTE, JESUS, ISTO É, A LUZ INFINITA QUER COM INFINITO AMOR QUE TODAS AS SUAS OVELHINHAS PASTEM NO GRANDE GRAMADO REPLETO DE DIVINAS PALAVRAS QUE É A BÍBLIA.
Eu insisti: "Você confirma que Jesus veio à terra em carne em nome de Deus?"
SIM, CONFIRMO TUDO ISSO EM NOME DE CRISTO.
Estavam presentes alguns parentes de D. Anita, seguidores de uma Igreja Evangélica que não crê na Comunhão dos Santos e, portanto, na possibilidade de comunicação com os mortos'. (pág. 41) (Grifos do original).
Observar que mesmo não tendo o mínimo conhecimento no trato com os espíritos ele age sabiamente, porque então nós que estudamos e pesquisamos não o faríamos melhor, já que temos pleno conhecimento dessas coisas? E se um espírito manifesta a um católico por que não poderia se manifestar a um espírita? Loeffler, um estudioso espírita, diz: "basta um único corvo branco para provar que nem todos são negros", fica assim então provada a comunicação com os mortos.
- "Será que se fosse uma coisa realmente de bem".
Recomenda-nos Jesus: "pelos frutos é que se conhece se uma árvore é boa ou má". Os "demônios", segundo seu modo de dizer, estão nos aconselhando: ame a seu próximo, sigam os ensinamentos de Jesus, perdoe aos que não entendem a sua maneira de crer em Deus e em Jesus, se isso é ruim, diga-nos, por favor, o que é bom? Por isso, dizemos que o Espiritismo conseguir um feito extraordinário que foi transformar o "demônio" num ser bom, coisa que as religiões dogmáticas tradicionais não conseguiram, apesar de "velhas" na praça.
- "palhaçada a suas, se deixam enganar demais pro meu gosto"
O tempo dirá quem tem razão ou não, não temos nenhuma pressa. Só esperamos estar vivos para ver afinal quem são os que estão a fazer "palhaçadas" nesta história, pois a ciência, dita oficial, irá, finalmente, aceitar as categóricas provas da comunicação com os "mortos", princípio que defendemos, não por crença, mas por fatos incontestáveis. Quem sobreviver verá.
Abraços
Paulo Neto
--------------------------------------------------------------------------------
----- Original Message -----
From: maxbethoven@iespana.es
To: Paulo da Silva Neto sobrinho
Cc: Paulo da Silva Neto sobrinho
Sent: Friday, April 02, 2004 7:41 PM
Subject: Re: Espíritos
ok, vamos por parte........... mas agora com minhas justificativas e perguntas às minhas perguntas anteriores, de acordo com suas respostas............... e provas dos enganos de vocês, veja só:
- "Vocês tem condições de responder"
Disse isto de uma forma natural, para ver se vcs tinham mesmo condições e interesse em responder, minha área é outra, trabalho com informática, nem religião eu tenho, só fui batizado na igreja católica e nem nunca frequentei uma igreja, ou seja: não quero competir inteligência, nem sou estudado no assunto, e nem por isso quer dizer que sou bobo né?
- "Vocês acreditam mesmo nesta de espíritos?"
Já que existe espítito, me diga uma coisa: quem encarnou nos corpos de Adão e Eva e nos filhos deles???? sendo que antes deles não existia seres humanos, e se vocês não acreditam em Adão e Eva me diga: quem encarnou nos primeiros seres do mundo???? Agora a 2º parte do assunto: eu também acredito em espírito, inclusive tenho um, senão não estaria aqui falando com você, mas é impossível um espírito do mundo dos mortos voltar à terra..... eu mesmo quando morrer, estarei ali com meu espírito na mansão dos mortos, e não aqui na Terra, são mundos diferentes, e somente Jesus Cristo pôde voltar à terra do mundo dos mortos
- "Não será o demônio os enganando??"
Se você não acredita em Demônios eu digo: o que fazem para lutar contra o mal? Sera que só existe Deus no Universo? se fosse assim o porque de tanta violência, guerras, mortes, etc, etc, etc???? Será que a palavra de vocês valem mais que a da Bíblia???? porque na bíblia fala da existência deles, será que vcs estão mais certos que a Bíblia????? E acreditando nele ou não, ele existe................ vc sabe disto, e são eles esses "espíritos que dizem ser mortos", bah
- "Será que os vivos tem contato com os mortos?"
Espírito é uma coisa, Anjos é outra amigo, Jesus é outra completamente diferente, pois ele sim, é o filho de Deus, que foi enviado para nos ajudar a combater o Demônio e as forças do Lúcifer, Jesus não morreu amigo, ele Ressuscitou, ou você não sabia disto?
- "Deus permite isso?"
Você disse que Deus permite certo? Claro que não, ele não permite, não é a toa que tem isto na Bíblia, mas ele nos deu a lei do livre arbítrio, ou seja: não somos obrigados a fazer o que ele manda, e sim o que nós quisermos, mas nem por isto ele não deixou de falar o que é certo e o que é errado, quem quer ir para o lado do Demônio que vá, quem quiser vir com deus que venha né?
- "Sigo a religião de Deus e Jesus Cristo"
Você disse tudo: Seguir como quiser, eu sigo assim: Acredito em Deus, Jesus Cristo e no espírito sando.......... não acredito que espíritos possam nos salvar e lavar nossas almas de tudo que é ruim no mundo né amigo???????????? ou vc deixa Deus de lado e prefere se deixar enganar pelos Demônios? ou seja: espíritos que vivem no nosso meio???????????
- "Por que será que a bíblia condena o espiritismo?" concordo com você, mas pense um pouco: Na bíblia não fala de carros, computadores, internet, porque? porque naquela época não existia isso, mas os demônios sempre existiram, e a palavra espiritismo é uma forma camuflada de pronunciar: "seguidores do demônio", amigo, se na bíblia fala que os vivos não tem contatos com os mortos, porque acreditar em uma coisa feita pelo Diabo? e veja só: Seita, o que significa seita? uma religião fundada, ou seja: o Espiritismo é uma seita, e do demônio né amigo????????? Não tem nada a ver uma seita querer fundar uma coisa e depois os seres humanos quererem mudar a bíblia e colocar nela o mesmo significado da palavra: seguidores do demônio por: espiritismo, é tudo uma questão de correção do Português, não do conteúdo!!!
- "Eu não acredito nisto".
Não é uma questão de simplesmente acreditar............. e sim uma questão de reflexão e sabedoria, em afirmar que: espíritos são demônios disfarçados........ né?
- "Pronunciar o nome de Jesus na frente dos demônios"
Você disse que vocês pronunciam o nome de cristo em suas seções certo???? e são pronunciadas por médiuns certo??? grande coisa, os médius são os mais fracos de espírito puro, aquele espírito humano entende??????? quero ver uma pessoa determinada, cheia de luz, se aproximar de uma pessoa possuída e mesmo em suas seções e dizer::::::::::::: "ai-te Satanás, Demônios, em nome do senhor Jesus Cristo, filho do nosso Deus todo poderoso" quero ver se isto não abalaria os espíritos encorporados em vocês em suas seções, ou mesmo aqueles com quem vocês conversam pelo além né?????????
Eu insisti: "Você confirma que Jesus veio à terra em carne em nome de Deus?"
SIM, CONFIRMO TUDO ISSO EM NOME DE CRISTO.
Neste ponto concordo com você, plenamente........... sem conversas...........
Finalizando: com o tempo você também verá quem tem razão, pense e analize tudo que eu disse, REPITO: não sou católico, não sou evangélico, muito menos espírita............... sou formado e trabalho com computadores, o que não tem nada a ver entende????????? é só um ponto de vista e realidade
Te faço uma última pergunta, e gostaria dela respondida:
PORQUE SERÁ QUE QUANDO ALGUM ESPÍRITO ENCARNA NO MEU CUNHADO OU NA MINHA MÃE QUE SÃO MÉDIUNS, E QUANDO EU CHEGO PERTO ELES SOMEM QUE NEM COVARDES? SE FOSSEM BONS NÃO TENTARIAM PREJUDICÁ-LOS NÉ AMIGO???????? PORQUE SERÁ QUE EU FUI DEMITIDO PELO MEU PATRÃO QUE É ESTUDADO DE ESPIRITISMO, E TEM ATÉ UMA ORGANIZAÇÃO DE ONDE OS ESPÍRITOS BAIXAM NOS MÉDIUS, QUANDO EU FUI ASSISTIR A ESTA ORGANIZAÇÃO E FALEI BEM ALTO: O SANGUE DE JESUS TEM PODER, VAI-TE SATANÁS, EM NOME DE JESUS CRISTO, EU ORDENO QUE VOCÊ VÁ EMBORA EM NOME DE JESUS CRISTO, FILHO DE DEUS, TODOS OS MÉDIUNS QUE ESTAVAM RECEBENDO ESPÍRITOS VOLTARAM AO NORMAL E OS ESPÍRITOS SUMIRAM????????????? DEPOIS DISSO ELE DISSE: APAREÇA AMANHÃ NO DEPARTAMENTO PESSOAL.......................................... HEIM????? O QUE VOCÊ ME DIZ?????????????????????/
--------------------------------------------------------------------------------
----- Original Message -----
From: Paulo da Silva Neto sobrinho
To: maxbethoven@iespana.es
Cc: webmaster@espirito.org.br
Sent: Tuesday, April 06, 2004 9:42 AM
Subject: Re: Espíritos
Maxbethoven,
Iremos respondê-lo, embora já de início você quer demonstrar mais inteligência do qualquer espírita, apesar de negar isso, tão inteligente que descobriu, não sabemos como, que as manifestações não são de espíritos, mas de demônios.
ok, vamos por parte........... mas agora com minhas justificativas e perguntas às minhas perguntas anteriores, de acordo com suas respostas............... e provas dos enganos de vocês, veja só:
- "Vocês tem condições de responder"
Disse isto de uma forma natural, para ver se vcs tinham mesmo condições e interesse em responder, minha área é outra, trabalho com informática, nem religião eu tenho, só fui batizado na igreja católica e nem nunca frequentei uma igreja, ou seja: não quero competir inteligência, nem sou estudado no assunto, e nem por isso quer dizer que sou bobo né?
O que estranhamos em sua fala é que para uma pessoa que trabalha com informática não demonstra qualquer senso lógico, está mais para mais um fanático religioso mesmo negando ser um, pois os fanáticos buscam principalmente bases bíblicas para seus argumentos. Não estudam o assunto de que se propõem a falar, mas falam assim mesmo. Veja bem, você trabalha em informática imagine que alguém, que não entende absolutamente nada de informática, se meta a dar palpite no que você conhece agindo como se fosse um doutor no assunto. O que você faria? Mas é o mesmo que você está fazendo conosco, já que afirma não ser estudado no assunto, não percebe isso? Ninguém disse que você é bobo, mas pelo que anda dizendo está se comportando com um. Foi batizado na Igreja Católica? Ótimo, nossos parabéns, só que podemos dizer seguramente que a maioria dos espíritas também o foram, já que muitos de nós vêem dessa corrente religiosa.
Se não quer competir inteligência, então porque se propõe ao debate, pois ao iniciá-lo queremos crer que está se julgando muito mais inteligente que todos os Espíritas. O Espiritismo, já com quase século e meio de existência, continua sólido ainda não apareceu ninguém que conseguisse demonstrar cientificamente nada que viesse provar que estamos errados em alguma coisa. Inclusive, houve um cientista chamado William Crookes, que foi nomeado presidente de uma comissão para “provar cientificamente que estávamos errados”, entretanto, por honestidade, poucos a têm nesse nível, afirma: “Eu não disse que esses fatos eram possíveis, o que afirmei é que são verdadeiros”.
E para que você não tenha trabalho algum de descobrir quem é ele, colocamos:
“Considerado como um dos mais persistentes e corajosos pesquisadores dos fenômenos espíritas e o maior químico da Inglaterra, William Crookes nasceu em Londres, no dia 17 de junho de 1832 e desencarnou na mesma cidade, no dia 4 de abril de 1919”.
“Estudou no ‘Colégio de Química’, onde foi aluno brilhante, alcançando o cargo de professor substituto no ‘Colégio Real’ e, posteriormente, foi inspetor da Seção de Meteorologia do Observatório de Redcliffe. Aos 23 anos, no ano de 1855, assumiu a Cadeira de Química na Universidade de Chester. Após alguns anos, em 1861, ficou bastante conhecido quando descobriu os raios catódicos e isolou o Tálio, determinando suas propriedades físicas. Em 1872, após prolongados estudos do espectro solar, descobriu a aparente ação repulsiva dos raios luminosos, fato que o levou à construção do Radiômetro, em 1874. Em 1885 descobriu um novo tipo de processamento do ouro. A existência do quarto estado da matéria, a que denominou ‘estando radiante’, foi por ele determinada no ano de 1879. Por essa última descoberta, foi amplamente recompensado pela Academia de Ciências da França”.
“Em virtude de seus feitos científicos, recebeu muitos prêmios como a Medalha de Ouro da Sociedade Real, em 1875; a Medalha Davy, em 1888 e a Medalha de ‘Sir’ J. Coprey, em 1904. Esse último galardão foi pelas suas relevantes contribuições no campo da Física e da Química”.
“Foi nomeado ‘Cavalheiro’ pela Rainha Vitória, da Inglaterra, em 1897. A Condecoração da Ordem do Mérito foi-lhe outorgada em 1910. Fundou os periódicos ‘Chemical News’ e ‘Quarterly Journal of Science’. Foi presidente de diversas sociedades científicas, tais como a ‘Sociedade Real de Química’, ‘Instituto de Engenharia Elétrica’ e da ‘Sociedade de Investigações Psíquicas’”.
“Não é difícil encontrar dados sobre a vida de William Crookes, as mais completas enciclopédias trazem sua biografia e, mais recentemente, a T. Fisher Unwin LTD (Londres) lançou o livro de Fournier: ‘The Life of Sr William Crookes’. Como homem de ciência publicou várias obras: em 1870 saiu ‘Métodos Escolhidos de Análise Química’; em 1880, ‘Fabricação do Açúcar de Beterraba na Inglaterra’; em 1881, ‘Manual de Tintura e Impressão nos Tecidos’; em 1883, ‘Manual de Tecnologia: Solução das Questões dos Enxurros’; em 1885, ‘Maneira de Estabelecer um Sistema de Canalização Vantajosa’. Seguem alguns trabalhos interessantes publicados em diversos compêndios ingleses: 1- ‘Aplicação da Fotografia no Estudo de certos Fenômenos de Polarização’; 2 – ‘Sobre a Sensibilidade do Iodeto e Brometo de Prata à Luz Colorida’; 3 – ‘Pesquisas Fotográficas sobre o Espectro’; 4- ‘Sobre a Fotografia da Luz’; 5 – ‘Sobre a Opacidade da Chama Amarela do Sódio para os Raios desta cor’; 6 – ‘Sobre Novos Elementos Supostos da Família do Cálcio’; 7 – ‘Sobre um Novo Elemento Pertencente Provavelmente ao Grupo do Enxofre’; 8 – ‘Memórias e Notas sobre o Tálio’; 9 – ‘Notas sobre a Cristalização da Glicerina’; 10 – ‘Pesquisa Experimental sobre uma nova Força’; 11 – ‘Novas Experiências sobre a Força Psíquica’; 12 – ‘Notas sobre o Radiômetro’; 13 – ‘Foco de Calor Produzido pelos Choques Moleculares’; 14 – ‘Sobre a Constituição da Matéria e o Estado Ultra-Gasoso’; 15 – ‘Sobre a Matéria Radiante’; 16 – ‘ Dos Espectros Fosforescentes Descontínuos no Vácuo quase Perfeito’; 17 – ‘Estudos Espectroscópicos sobre a Matéria Radiante’; 18 – ‘Os caracteres Espectroscópicos dos Corpos Simples”.
“Essas citações apenas dão uma idéia da capacidade científica de Crookes, sua inteligência, sua dedicação, seus métodos e sua posição de alta respeitabilidade nas sociedades científicas de sua época, além da confiança do povo em suas afirmações após ter pesquisado um assunto, a ponto de afirmarem com grande respeito que, se Crookes iria cuidar dos fatos espiritistas, logo ter-se-ia a verdade dos fatos”. (PALHANO, 1996).
Seria interessante lhe perguntar: você se julga mais capaz do que Crookes?
- "Vocês acreditam mesmo nesta de espíritos?"
Já que existe espírito, me diga uma coisa: quem encarnou nos corpos de Adão e Eva e nos filhos deles???? sendo que antes deles não existia seres humanos, e se vocês não acreditam em Adão e Eva me diga: quem encarnou nos primeiros seres do mundo???? Agora a 2º parte do assunto: eu também acredito em espírito, inclusive tenho um, senão não estaria aqui falando com você, mas é impossível um espírito do mundo dos mortos voltar à terra..... eu mesmo quando morrer, estarei ali com meu espírito na mansão dos mortos, e não aqui na Terra, são mundos diferentes, e somente Jesus Cristo pôde voltar à terra do mundo dos mortos.
Aqui, se não equivocamos no entendimento, sua dúvida estaria quanto à questão da reencarnação, confessamos que é difícil explicar para quem talvez ache que somente no planeta Terra haja vida. No Universo o planeta Terra talvez seja menos que um grão de poeira, a vida pulula por todo o cosmo, a não ser que acreditamos que tudo isso que está aí é apenas para iluminar as noites para um romântico casal de namorados.
Se Adão e Eva forem realmente o primeiro casal humano, temos um problema sério para resolver. A Bíblia diz que após Caim matar Abel ele se dirigiu para uma outra região, onde encontrou uma mulher com a qual teve um filho, chegando mesmo a fundar uma cidade. Se depois do seu ato criminoso só existiam ele e seus pais, que mulher é essa e que povo é esse para o qual se fundou uma cidade? Pode nos explicar?
Como apareceu na Terra as primeiras encarnações de Espíritos ainda não sabemos, mas isso não invalida o fato de acreditarmos neles e que eles reencarnam para evoluir. Você mesmo sem ter nenhuma outra explicação a não ser a de Adão e Eva acredita neles, então qual é o problema, se todos nós acreditamos em espíritos?
Com base em que afirma tão categoricamente que é impossível um espírito do mundo dos mortos voltar à terra? Pelo que deduzimos, e podemos mesmo estar enganados, sua base é a Bíblia. Pois bem, se não existisse essa possibilidade porque então há a proibição e evocá-los, será que “a palavra de Deus” proibiu algo que não pode acontecer. O que você faria se estivesse no lugar de Deus, criava a possibilidade da comunicação com os mortos só para ter o prazer de proibir, ou se não quisesse mesmo isso não a colocaria entre uma das leis naturais? Não que estamos aceitando que a proibição seja realmente de Deus, mas para argumentar seguindo uma linha de raciocínio lógico aceitando por hipótese de ser ela, a Bíblia, a palavra de Deus.
Embora já falamos anteriormente, mas parece que não leu, assim voltemos ao assunto. Em 1 Samuel 28, está narrada a aparição do espírito Samuel a Saul, fato confirmado em Eclesiástico 46, 20. Em Mt 17, 1-9, os espíritos Moisés e Elias aparecem e conversam com Jesus.
Na parábola do rico e Lázaro (Lc 16, 19-31) o rico pede a Abraão para mandar Lázaro avisar a seus cinco irmãos, pedido que só faz sentido se acreditar que isso pudesse ocorrer. A resposta de Abraão confirma, já que não foi dito que era impossível, mas que não adiantaria nada, pois se os irmãos não ouviram a Moisés e Elias também não ouviriam a Lázaro.
Quanto ao que diz que somente Jesus pode voltar à terra do mundo dos mortos, ficamos sem entender, pois lá no final você afirmou que Jesus não morreu. E em que momento ele se colocou acima de nós? Ao contrário sempre se colocou ao nosso nível: “tudo o que fiz vós podeis fazer e muito mais” (Jo 14, 12-14); Meu Pai e vosso Pai, Meu Deus e vosso Deus (Jo 20, 17) e Pai nosso (Mt 6, 9). Mas quer goste ou não; Jesus morreu e voltou, assim é um morto que prova não ser impossível a comunicação dos mortos, já que nas leis de Deus não há uma sequer que seja esporádica.
- "Não será o demônio os enganando??"
Se você não acredita em Demônios eu digo: o que fazem para lutar contra o mal? Será que só existe Deus no Universo? Se fosse assim o porque de tanta violência, guerras, mortes, etc, etc, etc???? Será que a palavra de vocês valem mais que a da Bíblia???? Porque na bíblia fala da existência deles, será que vcs estão mais certos que a Bíblia????? E acreditando nele ou não, ele existe................ vc sabe disto, e são eles esses "espíritos que dizem ser mortos", bah
Demônios na concepção das religiões tradicionais é um ser que vive a lutar eternamente com Deus, entretanto aos mais inquiridores isso não passa de fruto de conceito pagão. Os persas é que tinham essa idéia de um deus do bem e outro do mal, isso acabou influenciando a cultura do povo hebreu.
O que para nós é claro, claro não, é claríssimo é que Deus é tudo, nada absolutamente nada está lhe opondo em alguma coisa, sua vontade é soberana no Universo, tudo o que ele quer acontece, sem essa de um igual a Ele, mas devotado ao mal.
Demônios, explicamos, para nós são os espíritos ainda persistentes em fazer o mal. Não possuem poder algum para se igualar ao poder de Deus, mas por misericórdia de Deus um dia se tornarão bons, a reencarnação está aí é justamente para isso. O demônio que trazemos em cada um de nós: demônio do orgulho, demônio da vaidade, demônio do egoísmo, e muitos outros mais é quem causa isso tudo de ruim que você enumerou.
A Bíblia fala deles porque ela foi escrita por homens e foram eles que colocaram seus conceitos e preconceitos nela, mas para que pudessem ter domínio uns sobre os outros, acharam por bem dizer que ela era a palavra de Deus não deles. Iremos provar ao final o porque dizemos isso.
Se ele existe então cabe a você provar a sua existência e que são eles que dizem ser os mortos e, por favor, não nos apresente a Bíblia como prova.
- "Será que os vivos tem contato com os mortos?"
Espírito é uma coisa, Anjos é outra amigo, Jesus é outra completamente diferente, pois ele sim, é o filho de Deus, que foi enviado para nos ajudar a combater o Demônio e as forças do Lúcifer, Jesus não morreu amigo, ele Ressuscitou, ou você não sabia disto?
Segundo as narrativas bíblicas podemos concluir que espírito e anjo é a mesma coisa, basta ver Atos 6, 15; Atos 8, 26.29; Atos 10, 3.19.30 e Atos 12, 15 (passagem em que acreditavam Pedro já estar morto). Como dissemos anteriormente Jesus nunca se colocou como diferente de ninguém. Quanto a ser filho de Deus é só ler Rm 8, 16, que verá que todos nós o somos.
“As forças de Lúcifer” foi bom você tocar nesse assunto, já que muitos apresentam Lúcifer como o anjo rebelado contra Deus, citando Isaías 13, mas um leitor mais atento verá que no início desse capítulo a referência é ao rei da Babilônia nada portanto de anjo decaído. Até mesmo porque se tem que anjo é um ser criado puro, se é puro não há como decair, a não ser que admita algum defeito de “fabricação”, aí estará transferindo a Deus a hipótese de ter falhado.
Resolva Jesus morreu ou não morreu? Para nós morreu bem morrido só que ressuscitou em espírito, fato que acontecerá com todos nós ao morrermos.
- "Deus permite isso?"
Você disse que Deus permite certo? Claro que não, ele não permite, não é a toa que tem isto na Bíblia, mas ele nos deu a lei do livre arbítrio, ou seja: não somos obrigados a fazer o que ele manda, e sim o que nós quisermos, mas nem por isto ele não deixou de falar o que é certo e o que é errado, quem quer ir para o lado do Demônio que vá, quem quiser vir com deus que venha né?
Será que ocorre alguma coisa no Universo sem que Deus permita? As manifestações bíblicas que citamos só ocorreram porque Deus permitiu que esses espíritos se manifestassem caso contrário não ocorreria, será isso tão difícil de entender? Se tem isto na Bíblia, então você está se contradizendo, já que afirmou não ser possível a comunicação com os mortos. Se não é possível dê-nos uma razão lógica para essa proibição?
Veja que coisa interessante. Quem acredita em demônio deve obviamente acreditar no inferno. Aí lhe perguntamos: quando Deus criou o inferno? As leis que nos traz – os Dez Mandamentos – têm como pena irmos para o inferno se não as cumprirmos? Será capaz de provar que tem isso lá? E a coisa é tão contraditória que a seguinte passagem nega peremptoriamente o inferno: “Compassivo e misericordioso é o Senhor; tardio em irar-se e grande em benignidade. Não repreenderá perpetuamente, nem para sempre conservará a sua ira. Não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui segundo as nossas iniqüidades”. (Salmo 103, 8-10).
Existe por aí uma pedagogia completamente equivocada querem que as pessoas não façam o mal por temer a Deus ou por medo de cair nas garras do demônio, quando o que se era de esperar é que as pessoas deixassem de fazer o mal por amar a Deus. Mas como esse terrorismo religioso traz dividendos ou deveríamos dizer dízimos, aplicam-no em benefício próprio.
Sim quem quiser seguir com Deus que venha, mas onde se diz que devemos ter a mesma maneira de seguí-lo? Jesus tentou impor sua crença a alguém? Se sim, quando e onde? A nós, tudo diz que Ele apenas expunha seus pensamentos e dizia “quem quiser que me siga”, respeitando a crença religiosa de todos, nunca desprezou quem quer que seja por esse motivo, além de que também nunca falou mal de nenhuma delas. Mas infelizmente alguns querem ser maior que o nosso Mestre.
- "Sigo a religião de Deus e Jesus Cristo"
Você disse tudo: Seguir como quiser, eu sigo assim: Acredito em Deus, Jesus Cristo e no espírito sando.......... não acredito que espíritos possam nos salvar e lavar nossas almas de tudo que é ruim no mundo né amigo???????????? ou vc deixa Deus de lado e prefere se deixar enganar pelos Demônios? ou seja: espíritos que vivem no nosso meio???????????
Aí você coloca mais um dogma das religiões tradicionais que foi copiado das religiões pagãs, quase todas elas possuem a sua trindade. Nós temos certeza da existência de Deus, de Jesus Cristo e dos espíritos que somos nós os filhos de Deus. Ao que nós saibamos a Doutrina Espírita não prega esse absurdo que fala de “que os espíritos possam nos salvar e lavar nossas almas de tudo que é ruim”, isso só reforça que você realmente está falando do que não conhece, fato lamentável, apostamos que não gostaria que lhe falássemos de informática sem conhecer. Assim o que não quer para você não faça aos outros, certo? E mais uma vez prove que os espíritos são os demônios.
- "Por que será que a bíblia condena o espiritismo?" concordo com você, mas pense um pouco: Na bíblia não fala de carros, computadores, internet, porque? porque naquela época não existia isso, mas os demônios sempre existiram, e a palavra espiritismo é uma forma camuflada de pronunciar: "seguidores do demônio", amigo, se na bíblia fala que os vivos não tem contatos com os mortos, porque acreditar em uma coisa feita pelo Diabo? e veja só: Seita, o que significa seita? uma religião fundada, ou seja: o Espiritismo é uma seita, e do demônio né amigo????????? Não tem nada a ver uma seita querer fundar uma coisa e depois os seres humanos quererem mudar a bíblia e colocar nela o mesmo significado da palavra: seguidores do demônio por: espiritismo, é tudo uma questão de correção do Português, não do conteúdo!!!
Na sua opinião o Espiritismo pode ser o que for, entretanto isso não mudará os fatos. Os demônios que sempre existiram, conforme afirma, são os da cultura persa, já falamos sobre isso, que pessoas fazem questão de mantê-los vivos até os nossos dias, já que é através deles que dominam os fiéis, que tão subjugados ficam que muitos deixam de comprar o leite das crianças para dar o dízimo a seus líderes.
O Aurélio diz que seita é: Doutrina ou sistema que diverge da opinião geral e é seguido por muitos, o que para nós coloca todas as religiões como farinha do mesmo saco.
Voltamos a insistir a Bíblia nunca falou que os vivos não têm contato com os mortos, e mesmo que falasse isso nada mais é que a opinião do autor bíblico. Ao final você irá entender porque falamos assim.
Vejamos como os seres humanos querem mudar a Bíblia:
Levítico 19, 31:
Bíblia Vozes: Não recorrais aos médiuns, nem consulteis os espíritos para não vos tornardes impuros. Eu sou o Senhor vosso Deus.
Bíblia Ave Maria: Não vos dirijais aos espíritas nem adivinhos: não os consulteis, para que não sejais contaminados por eles. Eu sou o Senhor, vosso Deus.
Bíblia Pastoral: Não se dirijam aos necromantes, nem consultem adivinhos, porque eles tornariam vocês impuros. Eu sou Javé, o Deus de vocês.
Bíblia Paulinas: Não vos dirijais aos magos nem interrogueis os adivinhos, para que vos não contamineis por meio deles. Eu sou o Senhor vosso Deus.
Observar como mudam o sentido para denegrir o Espiritismo, pois os termos Espíritas e Médiuns foram criados em 18.04.1857. A palavra correta na passagem é necromantes, que consistia na evocação dos mortos para fins de adivinhação, só mal-intencionados colam isso como coisa que o Espiritismo faz.
Quer ver mais. A palavra querubim é sempre colocada como se fosse um anjo, entretanto à época das narrativas significava um ser da mitologia babilônica, metade homem metade animal, normalmente o corpo era de um leão ou de um touro, de quatro patas e com asas, duvida? Ver em Salmo 18, 8-10, onde Deus literalmente cavalga num querubim.
E talvez também não saiba que todas as consultas feitas a Deus, eram realizadas jogando-se duas pedras – urim e tumim – tal e qual jogamos uma moeda no famoso “cara ou coroa”. Isso sim é que deveria ter sido proibido.
- "Eu não acredito nisto".
Não é uma questão de simplesmente acreditar............. e sim uma questão de reflexão e sabedoria, em afirmar que: espíritos são demônios disfarçados........ né?
A questão de “reflexão e sabedoria” você a tira da Bíblia, pobre coitado, falta-lhe muita evolução para entender que nela existe em sua maioria apenas opiniões humanas. Mas como é dado a cada um o direito de acreditar no que quiser, siga em frente, mas, pelo amor de Deus, não nos faça segui-lo nisso, preferimos não ter essa “sabedoria”.
- "Pronunciar o nome de Jesus na frente dos demônios"
Você disse que vocês pronunciam o nome de cristo em suas seções certo???? e são pronunciadas por médiuns certo??? grande coisa, os médiuns são os mais fracos de espírito puro, aquele espírito humano entende??????? quero ver uma pessoa determinada, cheia de luz, se aproximar de uma pessoa possuída e mesmo em suas seções e dizer::::::::::::: "vai-te Satanás, Demônios, em nome do senhor Jesus Cristo, filho do nosso Deus todo poderoso” quero ver se isto não abalaria os espíritos encorporados em vocês em suas seções, ou mesmo aqueles com quem vocês conversam pelo além né?????????
Até que enfim você se define “espírito cheio de luz”, já que você foi corajoso de fazer isso. Só gostaríamos que nos informasse uma coisa. Supondo-se que exista mesmo esse demônio que você fala, por qual motivo Deus só permitiria a ele se manifestar impedindo aos anjos ou mesmo alguns espíritos de se manifestar. E mais, estaria ele querendo mesmo nos levar para o céu, se manda ou deixa um ser maléfico ficar arrebanhando almas para o inferno quando ele não faz a contrapartida, ou seja, envia seus anjos para nos conduzir para o caminho do bem. Qual a lógica que trabalha?
A prova que lhe demos aproveitando a sua sugestão parece que não valeu nada. Claro é assim que agem os fanáticos, só os argumentos deles é que têm valor.
Eu insisti: "Você confirma que Jesus veio à terra em carne em nome de Deus?"
SIM, CONFIRMO TUDO ISSO EM NOME DE CRISTO.
Neste ponto concordo com você, plenamente........... sem conversas...........
Até que enfim concordou com alguma coisa, e disso se pode concluir que só por ter havido a sua concordância faz disso algo verdadeiro. Parabéns!
Finalizando: com o tempo você também verá quem tem razão, pense e analise tudo que eu disse, REPITO: não sou católico, não sou evangélico, muito menos espírita............... sou formado e trabalho com computadores, o que não tem nada a ver entende????????? é só um ponto de vista e realidade
Pode até ser que você não é nada disso mesmo, entretanto o seu discurso é característico de evangélico, nunca vimos alguém parecer tanto assim, até surge-nos a idéia de um clone. E, confessamos, fica difícil acreditar que quem trabalha com computadores ou informática, conforme disse anteriormente, não tenha uma mente aberta que busque a lógica como base racional de tudo. Mas você mesmo disse tudo: é só um ponto de vista, com o que completamos: de quem não entende do que fala.
Te faço uma última pergunta, e gostaria dela respondida:
PORQUE SERÁ QUE QUANDO ALGUM ESPÍRITO ENCARNA NO MEU CUNHADO OU NA MINHA MÃE QUE SÃO MÉDIUNS, E QUANDO EU CHEGO PERTO ELES SOMEM QUE NEM COVARDES? SE FOSSEM BONS NÃO TENTARIAM PREJUDICÁ-LOS NÉ AMIGO??????? PORQUE SERÁ QUE EU FUI DEMITIDO PELO MEU PATRÃO QUE É ESTUDADO DE ESPIRITISMO, E TEM ATÉ UMA ORGANIZAÇÃO DE ONDE OS ESPÍRITOS BAIXAM NOS MÉDIUS, QUANDO EU FUI ASSISTIR A ESTA ORGANIZAÇÃO E FALEI BEM ALTO: O SANGUE DE JESUS TEM PODER, VAI-TE SATANÁS, EM NOME DE JESUS CRISTO, EU ORDENO QUE VOCÊ VÁ EMBORA EM NOME DE JESUS CRISTO, FILHO DE DEUS, TODOS OS MÉDIUNS QUE ESTAVAM RECEBENDO ESPÍRITOS VOLTARAM AO NORMAL E OS ESPÍRITOS SUMIRAM??????????????????????? DEPOIS DISSO ELE DISSE: APAREÇA AMANHÃ NO DEPARTAMENTO PESSOAL.... HEIM????? O QUE VOCÊ ME DIZ?????????????????????
Talvez você acredite que gritando (letras grandes) irá convencer aos outros, mas o que convence é a lógica dos argumentos, o que não conseguiu fazer até o presente momento.
Quanto ao “nome de Jesus” lhe provamos que mesmo após dizer isso a comunicação se deu, o espírito confirmou tudo, assim deveria concluir que sua sugestão de provar a comunicação foi realizada. Mas se foi realizada por que ainda não acredita? Por que um outro fato contrário aconteceu? Perguntamos um fato falso poderá invalidar todos os outros, mesmo que sejam absolutamente verdadeiros? Com base em que lógica isso se realiza?
O que você fez como “corajoso” nada mais é que uma absoluta falta de respeito, você gostaria que quando você tivesse fazendo algo que acredita sinceramente e viesse um fanático e fizesse igual ao que fez? Seja sincero, por favor, antes de responder.
No caso que cita, a primeira coisa que poderemos lhe questionar é a respeito de que organização é essa, já que é muito comum que as pessoas que não entendem nada de Espiritismo confundir-nos com outras coisas que nada tem a ver conosco, somente porque houve manifestação de Espíritos. Temos dito, e não custa-nos repetir: só porque tartaruga bota ovos não faz dela uma ave.
Primeiramente uma Casa Espírita bem orientada não deixaria nenhuma pessoa que não fosse médium vinculado a ela participar de reuniões mediúnicas. Essas reuniões exigem vibrações especiais, seus componentes devem ter harmonia, comungarem o mesmo pensamento elevado em querer ajudar aos necessitados, sem falar de que não poderá faltar o conhecimento do Espiritismo. Pessoas com pensamentos antagônicos, rivalidades, curiosidades, descrentes, todas elas perturbam o ambiente causando dificuldades de concentração. Os médiuns estabelecem ligações com os espíritos por meio de concentração, buscando com ela captar o pensamento do espírito que deseja falar, esse é o mecanismo do funcionamento mediúnico. Assim, o que causou o “sumiço”, conforme diz, não foi a sua “poderosa” oração, mas porque tirou os médiuns de concentração, prejudicando os trabalhos.
Quanto à atitude do seu chefe não queira se fazer de vítima, pois ninguém deixaria em sua firma um funcionário que não sabe respeitar o que o seu próximo pensa, ainda mais quando esse próximo é o próprio dono da empresa.
Vejamos agora o que prometemos para o final.
Já que exige que cumpramos a Bíblia espero que também a cumpra, especialmente:
Ex 21, 7: - Se um homem vender sua filha para ser escrava, esta não lhe sairá como saem os escravos.
Ex 21, 12: - Quem ferir a outro de modo que este morra, também será morto.
Ex 21, 15: - Quem ferir a seu pai ou a sua mãe, será morto.
Ex 21, 16: - O que raptar a alguém, e o vender, ou for achado na sua mão, será morto.
Ex 21, 17: - Quem amaldiçoar a seu pai ou a sua mãe, será morto.
Ex 21, 23-25: - Mas se houver dano grave, então darás vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferimento por ferimento, golpe por golpe.
Ex 22, 2: - Se um ladrão for achado arrombando uma casa, e, sendo ferido, morrer, quem o feriu não será culpado do sangue.
Ex 22, 16: - Se alguém seduzir qualquer virgem, que não estava desposada, e se deitar com ela, pagará seu dote e a tomará por mulher.
Ex 31, 14: - Portanto guardareis o sábado, porque santo é para vós outros; aquele que o profanar morrerá; pois qualquer que nele fizer alguma obra será eliminado do meio do seu povo.
Lv 11, 7-8: - Também o porco, porque tem unhas fendidas, e o casco dividido, mas não rumina; este vos será imundo, da sua carne não comereis, nem tocareis no seu cadáver; estes vos serão imundos.
Lv 11, 21-22: - Mas de todo o inseto que voa, que anda sobre quatro pés, cujas pernas traseiras são mais compridas, para saltar com elas sobre a terra, estes comereis. Deles comereis estes: a locusta segundo a sua espécie, o gafanhoto devorador segundo a sua espécie, o grilo segundo a sua espécie, e o gafanhoto segundo a sua espécie.
Lv 20, 10: - Se um homem adulterar com a mulher do seu próximo, será morto o adúltero e a adúltera.
Lv 20, 13: - Se também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram cousa abominável; serão mortos; o seu sangue cairá sobre eles.
Lv 20, 18: - Se um homem se deitar com a mulher no tempo da enfermidade dela, e lhe descobrir a nudez, descobrindo a sua fonte, e ela descobrira a fonte do seu sangue, ambos serão eliminados do meio do seu povo.
Lv 21, 9: - Se a filha dum sacerdote se desonra, prostituindo-se, profana a seu pai: com fogo será queimada.
Dt 21, 15-16: - Se um homem tiver duas mulheres, uma a quem ama e outra a quem aborrece, e uma e outra lhe derem filhos, e o primogênito for da aborrecida, no dia em que fizer herdar a seus filhos aquilo que possuir, não poderá dar a primogenitura ao filho da amada, preferindo-o ao filho da aborrecida, que é o primogênito.
Dt 21, 18-21: - Se alguém tiver um filho contumaz e rebelde, que não obedece à voz de seu pai e à de sua mãe, e, ainda castigado, não lhes dá ouvidos, pegarão nele seu pai e sua mãe e o levarão aos anciãos da cidade, à sua porta, e lhes dirão: Este nosso filho é rebelde e contumaz, não dá ouvidos à nossa voz: é dissoluto e beberrão. Então todos os homens da sua cidade o apedrejarão, até que morra; assim eliminarás o mal do meio de ti: todo o Israel ouvirá e temerá.
Dt 23, 1 - Aquele a quem forem trilhados os testículos, ou cortado o membro viril, não entrará na assembléia do Senhor.
Dt 23, 2: - Nenhum bastardo entrará na assembléia do Senhor; nem ainda a sua décima geração entrará nela.
Dt 25, 11-12: - Quando brigarem dois homens, um contra o outro, e a mulher de um chegar para livrar o marido da mão do que o fere, e ela estender a mão, e o pegar pelas suas vergonhas, cortar-lhe-ás a mão: não a olharás com piedade.
Gostaríamos que observasse bem o que realçamos nelas e refletisse sobre cada um delas, veja se as aplica ao seu dia-a-dia. Algumas ordens só fanáticos mesmo poderiam aceitar como provindas de Deus, para não ficar muito longe, veja as três últimas, responda-nos: são de Deus ou não? Se são, por que não as cumprem? Se não são, então devemos convir que nem tudo que está na Bíblia provém de Deus. Está aí meu caro: se correr o bicho pega, se ficar o bico come.
Poderá dizer que somos incoerentes ao citarmos a Bíblia, não é incoerência, como você diria, é sabedoria, usamos da mesma arma que usa para nos combater. Muitas coisas são lendas, mitologias, histórias, mas apesar disso ainda podemos encontrar ali algumas revelações divinas, principalmente no Novo Testamento, que é o que optamos em seguir, já que preferimos seguir Jesus do que a Moisés.
Certas incoerências ou contradições bíblicas também depõem contra a tese de que seja a palavra de Deus, vejamos alguns exemplos.
1 – Considerando que somente podemos falar em dia quando o Sol passou a existir, perguntamos: como então se diz que Deus criou no primeiro, no segundo e no terceiro dia, sendo que o Sol só foi criado no quarto dia?
2 – Considerando que um dos castigos de Eva foi parir em meio a dores, perguntamos: as fêmeas dos animais levaram o castigo de Eva, já que também elas parem com dor?
3 – O que aconteceu com a ordem divina “e ele te governará”, já que nós os homens não estamos nos dias atuais conseguindo governar nossas mulheres?
4 – Considerando que os castigos foram individualizados, cada um recebendo o seu, perguntamos: porque os animais, as plantas e as mulheres morrem, já que esse foi o castigo dos homens?
5 – Considerando que “Os pais não serão mortos pela culpa dos filhos, nem os filhos pela culpa dos pais. Cada um será executado por causa de seu próprio crime” (Dt 24, 16), como explicar que morremos pelo pecado de Adão e Eva?
6 – Considerando o Dt 24, 26, citado acima, como conciliá-lo com: “Não se prostre diante desses deuses, nem sirva a eles, porque eu, Javé seu Deus, sou um Deus ciumento: quando me odeiam, castigo a culpa dos pais nos filhos, netos e bisnetos” (Ex 20, 5)?
7 – Considerando que o que não é proibido é permitido perguntamos: as mulheres podem desejar o homem das outras, já que o mandamento é “não desejar a mulher do próximo”?
8 – É afirmado que Moisés conversava com Deus face a face como um amigo conversa com outro, entretanto, Jesus disse que “ninguém jamais viu a Deus” (Jo 1, 18).
9 – A tomada da cidade de Jericó (Js 6, 1-5) não pode ter ocorrido como relatada, pois àquela época a cidade estava desabitada não existiam as muralhas, poderá então nos explicar essa passagem?
10 – O nome do sogro de Moisés é Ragüel, sacerdote de Madiã (Ex 2, 17-18) ou Jetro (Ex 3, 1; 3,18; 18,1) ou Hobab, filho de Ragüel (Nm 10, 29) ou ainda Hobab, o quenita (Jz 1, 16, 4,11)?
Bom a nossa lista poderia se estender não sabemos por quantas páginas, mas as que aqui colocamos dá para ter uma idéia do que queremos realçar. Caso ache que é pouco poderemos, oportunamente, lhe enviar outras ou quem sabe poderá ler o nosso livro intitulado “A Bíblia à Moda da Casa”.
Assim, pedirmos que também reflita e diga-nos pode tudo isso vir de Deus?
Paulo já dizia: Examinai tudo, retende o que é bom.
E como será provável que você ira nos responder, pois um fanático nunca se dá por vencido, quer a todo custo que os outros pensem como ele, sugerimos que antes disso, para economia de tempo e, com certeza, para não necessitarmos ficar repetindo os mesmos contra-argumentos, sugerimos que visite os links abaixo e leia os textos relacionados:
Site: www.espirito.org.br/portal/artigos/paulosns/index.html
A Ciência Desmente o Espiritismo
A Palavra de Deus na Bíblia
A polêmica a respeito do Espiritismo
A Transfiguração de Jesus
As diferenças entre Espiritismo e Cristianismo
Comunicação com os Mortos
Condenação do Espiritismo
Debate com o Pregador
Deus, o verdadeiro
Em busca da verdade
Espíritas Incoerentes?
Espiritismo é pura mentira
Espiritismo x Cristianismo – texto completo
Estudos Bíblicos - Filho de Davi - Refutação
O Antigo Testamento é a palavra de Deus
O impossível se torna possível
O Laço do Maligno
Presbiterianismo e Reencarnação
Reencarnação, Argumentos católicos contrários
Reencarnação, uma praga
Se Jesus fosse espírita


Paulo da Silva Neto Sobrinho