2 de março de 2010

A MEDIUNIDADE SEM LÁGRIMAS

CONSELHOS OPORTUNOS
Neste trabalho que se vão ler tratam de um dom profundo do Espírito humano encarnado: o dom da mediunidade. Por meio dele entraremos em contato com os Espíritos, ou seja, com os desencarnados, aqueles que já, em corpo carnal, habitaram a Terra, conviveram conosco, e partiram para a pátria espiritual, invisível para nós.
E como o explorador terreno que, antes de se aventurar a uma região desconhecida e que lhe compete explorar, aparelha-se com os petrechos e informações que lhe facilitem a tarefa, e o protejam dos riscos a que possa estar exposto, assim aquele que vai contatar-se com os Espíritos deve precaver-se contra os perigos a que se expõe. Posto que não sejam instrumentos materiais, são, contudo, de suma importância, e sem os quais poderá frustrar-se em sua tarefa.
Os instrumentos a que nos referimos são: intelectuais, morais, espirituais, e materiais.
Os instrumentos intelectuais resumem-se num só: o estudo. O estudo das obras básicas da Doutrina Espírita deve ser uma constante na vida do médium; Kardec, Delanne, Dénis, Bozzano, oferecem as bases reais do Espiritismo, a que se juntam atualmente as obras de novos autores, quer nacionais, quer estrangeiros através de excelentes traduções, e publicadas por editoras de alta responsabilidade. O estudo desenvolve no médium o discernimento, isto é, a capacidade de julgar.
Os instrumentos morais consubstanciam-se na conduta do médium; uma conduta moralizada protege-o contra os Espíritos ignorantes e maldosos, que porventura procurem embaraçá-lo no desempenho de sua mediunidade, e fá-lo contar com o auxílio dos bons Espíritos. Onde quer que esteja, o médium deve ser um exemplo de moralidade, porém, sem afetação. E importante que se livre de vícios, por menores que sejam. E essencial também que o médium não se engolfe demasiadamente na vida social. Uma vida social intensa poderá trazer-lhe perturbações, além de interferir em seus deveres espirituais.
O instrumento espiritual de que o médium deve munir-se é a fé. Não a fé cega, fanática, que a nada conduz, nada ilumina, nada constrói; mas a fé raciocinada, a fé que não duvida, e não duvida porque sabe, e sabe porque estuda. Como diz Emanuel em seu livro "Fonte Viva": "A fé, na essência, é aquele embrião de mostarda do ensinamento de Jesus que, em pleno crescimento, através da elevação pelo trabalho incessante, se converte no Reino Divino, onde a alma do crente passa a viver." E Kardec, em seu "O Evangelho Segundo o Espiritismo", nos ensina: "A fé robusta nos confere a perseverança, a energia, e os recursos necessários para a vitória sobre os obstáculos, tanto nas pequenas, quanto nas grandes coisas."
Por instrumentos materiais entendemos o trabalho do médium para ganhar honestamente o seu pão de cada dia, segundo sua profissão, evitando ambição excessiva, e desejos imoderados. Ao médium não é proibido lutar para ter mais e melhor, materialmente falando; entretanto se conseguir pouco, contentar-se com esse pouco; se for agraciado com riquezas, lembrar-se continuamente de que não é mais do que um mordomo dos bens do Senhor; evitará assim o peso das preocupações materiais, um tropeço ao bom desempenho mediúnico.

Eliseu Rigonatti

Nenhum comentário:

Postar um comentário