3 de março de 2010

PRÁTICA MEDIÚNICA ESPÍRITA

Editorial do Reformador de Março de 2010

A mediunidade é uma faculdade que muitas pessoas possuem, independentemente de sua vontade, que permite a comunicação entre os homens (Espíritos encarnados)
e os Espíritos desencarnados, ou, ainda, entre o mundo espiritual e o mundo material. Existe desde que o homem habita a Terra. Todas as religiões, desde as mais primitivas, têm na mediunidade a base para os seus princípios e a sua prática.
Em “A minha primeira iniciação no Espiritismo” (Obras Póstumas, p. 297 e 299), Allan Kardec comenta sobre os seus primeiros contatos com o fenômeno mediúnico representado, na época, pelas mesas girantes ou falantes, como se observa em alguns trechos:
Foi aí [em casa da Sra. Plainemaison, em maio de 1855] que, pela primeira vez, presenciei o fenômeno das mesas que giravam, saltavam e corriam em condições tais que não deixavam lugar para qualquer dúvida.Assisti então a alguns ensaios [...] mas havia ali um fato que necessariamente decorria de uma causa. Eu entrevia, naquelas aparentes futilidades [...]
Qualquer coisa de sério, como que a revelação de uma nova lei, que tomei a mim estudar a fundo. [...] Foi nessas reuniões que comecei os meus estudos sérios de Espiritismo [...]. Apliquei a essa nova ciência [...] o método experimental; nunca elaborei teorias preconcebidas; observava cuidadosamente, comparava, deduzia consequências; dos efeitos procurava remontar às causas, por dedução e pelo encadeamento lógico dos fatos [...] percebi, naqueles fenômenos, a chave do problema tão obscuro e tão controvertido do passado e do futuro da Humanidade [...]. Era, em suma, toda uma revolução nas ideias e nas crenças; fazia-se mister, portanto, andar com a maior circunspeção e não levianamente; ser positivista e não idealista, para não me deixar iludir.
Um dos primeiros resultados que colhi das minhas observações foi que os Espíritos, nada mais sendo do que as almas dos homens, não possuíam nem a plena sabedoria, nem a ciência integral [...] e que a opinião deles só tinha o valor de uma opinião pessoal. [...]
Adotando um sistema de investigação racional, intitulado “Controle Universal do Ensino dos Espíritos” (O Evangelho segundo o Espiritismo, p. 26-36), Allan Kardec codificou a Doutrina Espírita, que tem como máximas: “Nascer, morrer, renascer ainda, e progredir sempre, tal é a lei”, “Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade” e “Fora da Caridade não há Salvação”. Assim, toda atividade identificada como espírita, inclusive a mediúnica, será sempre a que for realizada de conformidade com os ensinos espíritas.
No mundo existem muitas atividades mediúnicas, mas, “prática mediúnica espírita só é aquela que é exercida com base nos princípios da Doutrina Espírita e dentro da moral cristã”.1

Nenhum comentário:

Postar um comentário