3 de junho de 2010

SOBRE O SENTIDO OCULTO DOS EVANGELHOS.

Muitos dentre os padres da Igreja afirmam que os Evangelhos encerram um sentido oculto.

Orígenes diz:

"As Escrituras são de pouca utilidade para os que as tomem como foram escritas. A origem de muitos desacertos reside no fato de se apegarem à sua parte carnal e exterior."

"Procuremos, pois, o espírito e os frutos substanciais da Palavra que são ocultos e misteriosos."

0 mesmo diz ainda:

"Há coisas que são referidas como histórias, que nunca se passaram e que eram impossíveis como fatos materiais, e outras que eram possíveis, mas que não se passaram."

Tertuliano e Denis, o Areopagita, falam também de um esoterismo cristão.

Santo Hilário declara repetidas vezes que é necessário, para inteligência dos Evangelhos, supor-lhes um sentido oculto, uma interpretação espiritual (146).

No mesmo sentido se externa Santo Agostinho:

"Nas obras e nos milagres de Nosso Salvador há ocultado mistérios que se não podem levianamente, e segundo a letra, interpretar sem cair em erro e incorrer em graves faltas."

São Jerônimo, em sua Epístola a Paulino, declara com insistência:

"Toma cuidado, meu irmão, no rumo que seguires na Escritura Santa. Tudo o que lemos na Palavra santa é luminoso e por isso irradia exteriormente, mas a parte interior ainda é mais doce. Aquele que deseja comer o miolo deve quebrar a casca."

Sobre esse mesmo assunto, animada controvérsia teológica se travou entre Bossuet e Fenelon. Afirmava este haver um sentido secreto das Escrituras, transmitido unicamente a iniciados, uma gnose católica vedada às pessoas vulgares(147).

De todas essas ocultas significações a primitiva Igreja possuía o sentido, mas dissimulava-o cuidadosamente; pouco a pouco veio ele a se perder.

Léon Denis
Espiritismo e Cristianismo
 
146 - Ver a esse respeito o prefácio dos Beneditinos ao comentário do Evangelho segundo S. Mateus. "Obras de S. Hilário", cols. 599-600.
147 - Ver Júlio Blois, "O mundo invisível", pág. 62.

Nenhum comentário:

Postar um comentário