20 de agosto de 2011

JUÍZO FINAL




O que é o Juízo Final?
A idéia que ocorre de imediato é de um julgamento final: as ovelhas vão para o Reino dos Céus e as cabras para as trevas. – E depois... O que acontecerá? – Acaba tudo? – A Terra ficará vazia?
Existirá realmente, segundo a concepção dos crentes, a exatificação da justiça tão esperada?

O Juízo Final é o julgamento final, e ponto final? - Será esta a verdadeira interpretação?

"Honrai o vosso pai e vossa mãe, para que possais herdar a Terra" (4º Mandamento do Decálogo).

Temos aí, uma condição imposta pelas Leis Divinas para que possamos merecer continuar neste Planeta.

O "Honrar pai e mãe" não trata apenas de estreitar os laços afetivos para com os nossos genitores. O Decálogo é a síntese das Leis Divinas, e nesta simbologia do "Honrar pai e mãe" está fundamentado o honrar a paternidade de Deus. Aliás, os que não honram seus pais nunca souberam honrar a Deus.

O sentido de herdade ou continuação está inserido, também, neste contexto: "O meu reino ainda não é deste mundo" – Jesus- João 18:36.

Se ainda não é... Um dia será. Quando?

Depois da separação do Joio do Trigo, das Cabras das Ovelhas, os Injustos dos Justos. Estes últimos, os eleitos, herdarão a Terra.

Época em que o Evangelho do Cristo estará vivo no coração da Humanidade.

Falando da grande tribulação que já está acontecer, disse Jesus: "Porque nesse tempo haverá grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido, nem haverá jamais. Não tivessem aqueles dias abreviados, ninguém seria salvo; mas, por causa dos eleitos, tais dias serão abreviados." – Jesus – Mateus 24-21:22.

Observa-se que haverá tormentas antes da separação dos maus e bons, as quais já se iniciaram há algum tempo.

Observa também, que a Terra não deixará de existir, será a moradia ou herança dos escolhidos. E da maneira que Jesus fala, está tudo esquematizado.

Afirma, ainda: "Então, estando dois no campo, será levado um, e deixando outro. Estando duas moendo no moinho será levada uma, e deixada outra”. (MAT 24- 40:41) Nesta passagem deixa bem claro que apenas a metade será o número dos que ficarão como herdeiros da Terra. Certamente, nestes números estão contidos os encarnados e desencarnados, cujo somatório vai além dos vinte bilhões, matriculados neste planeta Terra (dados fornecidos pelos espíritos).

Para onde vão os maus? – Ou seja, a outra metade restantes?

São os Joios "que serão atados e jogados no fogo" – (MAT.13-3o). Não no fogo eterno que não existe, mas no "fogo que purifica.”.

Se há o objetivo de purificar é porque existe, também, o objetivo de recuperar e o que se recupera, obviamente, deverá novamente ser aproveitado.

Revela-nos os espíritos que no Sistema de Capela, estrela de primeira magnitude (grandeza) bem superior ao nosso Sol, estrela alfa da Constelação de Cocheiro, um de seus planetas em épocas remotas passou por idêntica transformação a que estamos prestes a passar.

Os expurgados de lá, isto é, aqueles habitantes que não apresentaram condições de herdar ou de lá permanecer, dado ao novo estágio de evolução que ganhara aquele planeta, foram degredados para o planeta Terra.

Segundo relato do Velho Testamento, muitos vieram em corpo físico mesmo e eram gigantes (os chamados homens que vieram dos céus); outros, já desencarnados, foram trazidos para nova moradia, para aqui reencarnarem. Sem querer adentrar a nenhuma forma de proselitismo há quem afirme que esses gigantes que habitaram o nosso planeta eram filhos dos anjos com as mulheres terrestres.

Estes espíritos, expurgados daquele planeta distante, apesar das condições morais que os impediam de lá permanecer, eram dotados de razoável inteligência e formaram aqui na Terra as grandes civilizações que a nossa história registrou.

Para eles, os expurgados, considerando a diferença de qualidade e condições entre um mundo e outro, aqui era um verdadeiro inferno, como será o mundo primitivo para onde irão os expurgados daqui.

Nas reminiscências dos ex-Capelinos, ficou a imagem "do Paraíso Perdido", tanto quanto ficará nas dos que daqui partirem (os dois terços para uns e metade para outros) para o mundo inferior.

Daí concluirmos, também, que o Paraíso ou Édem em que Adão e Eva foram expulsos em seu sentido alegórico - está contido nesta metamorfose de mudança, no ciclo da Evolução. Os mundos, as "Moradas na Casa de meu Pai", também evoluem.

Segundo ainda os espíritos, até os dias de hoje existem aqui na Terra remanescentes Capelinos. Muitos para lá já retornaram depois de purgadas as suas imperfeições neste "vale de lágrimas.”.

Na alegoria de Adão e Eva existe algo muito interessante e que deve ser analisado à luz do bom-senso. Caim, por inveja matou Abel, seu irmão (ambos os filhos de Adão e Eva) e depois fugiu para a terra de Node e lá se casou. Com a promessa de Deus de que ninguém o mataria. Prova de que já existiam outras pessoas e outros povoados. E se já existiam povoados outros, por distante que estes fossem o que impediria a não existência de outros mais antigos que o tradicional paraíso de Adão e Eva.

Caim, por haver assassinando a Abel, teve medo ao receber a penitência imposta pelo Senhor em partir para outras terras. Tinha medo de ser assassinado, também. O Senhor deixou-lhe uma marca para que tal não acontecesse. – Quem poderia matar Caim se segundo a lenda só existiam dois homens na face da terra, ele e seu pai Adão? – Se não existissem outros homens pelos caminhos que deveria andar como justificar o medo de Caim? Também, não haveria a necessidade de nenhuma marca nele colocada pelo Senhor e nem a promessa de que nenhum outro homem o mataria. O seu irmão, Set, nasceria bem depois, quando Adão já tinha seus cento e trinta anos. De há muito Caim havia debandado para a terra de Node

Para melhor entendimento, transcrevo do livro Gênesis de Moisés, os versículos 4-11 a 16, com o título "O primeiro homicídio":

És agora, pois, maldito por sobre a terra, cuja boca se abriu para receber de tuas mãos o sangue do teu irmão. Quando lavrares o solo, não te dará ele a sua força; serás fugitivo e errante pela terra. Então, disse Caim ao Senhor: É tamanho o meu castigo, que já não posso suportá-lo. Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua presença hei de esconder-me; serei fugitivo e errante pela terra; quem comigo se encontrar me matará. O Senhor, porém, lhe disse: Assim, qualquer que matar a Caim será vingado sete vezes. E pôs o Senhor um sinal em Caim para que o não ferisse de morte quem quer que o encontra-se. Retirou-se Caim da presença do Senhor e habitou na terra de Node, ao oriente do Éden.

A história faz relatos, mas deixa lacunas em forma de interrogações que devemos analisar.

O que está escrito está escrito; mas nem tudo o que aconteceu foi escrito e a simbologia é quase sempre mal interpretada, mas o bom-senso nos direciona às possíveis realidades e conclusões que nem sempre a inteligência dá para alcançar.

As interpretações dadas pelas religiões justificam que houve vários ciclos de gerações. Em que os Homens daquela época, viviam em torno dos 800 a 900 anos. Por certo a cronologia era outra, os anos não tinham os mesmos números de meses e dias da atualidade.

Existe uma variedade de calendários, regidos de acordo com a cultura do povo. Os meses judaicos iam de lua nova a lua nova, sem falar no calendário da agricultura que existia em remotíssimas eras; portanto, bem diferente do nosso atual calendário (gregoriano).

São avaliações que necessitam ser levadas em conta. Por outro lado é bom considerar que nem o medo de Caim e o sinal pelo Senhor nele colocado, deixariam de ser justificados por quanto o acontecido foi quase de imediato ao fratricídio por ele praticado.

Admitindo a não existência de outra mulher, pergunta-se com quem se casou seu irmão Set? Que nasceu bem posterior à sua partida - por certo com uma de suas irmãs. A Bíblia não registra tal fato, mas também não explica. .

Não fosse a citação Bíblica sobre a herdade de Caim (seus filhos e filhas), levado pela culpa do crime, talvez acompanhado pelo remorso e a solidão imposta pelo banimento, levando aí aproximadamente 200 anos estando só sem ter por perto nenhum ser humano, acreditaríamos que tivesse ele morrido de tédio. Afinal, com quem ele se casou? . Da onde surgiu a sua esposa?

Será que Deus teve necessidade de fazer outra intervenção cirúrgica, tirando-a de sua costela, conforme fizera com o seu pai Adão?

Não saber explicar, tudo muito bem, mas inventar para justificar-se não é correto.

O que se deve entender por Juízo Final não é a concepção de que o mundo vai acabar como por várias vezes já foi noticiado. Prende-se antes de tudo às mudanças de acordo com o estado evolutivo da Humanidade e do próprio planeta.

Em uma pálida comparação, o mesmo acontece em nossas escolas. Os bons alunos aprovados no ano letivo terão garantidos para o ano seguinte outro mundo de novos aprendizados. Os repetentes, por falta de lugar pior, amargarão na mesma carteira a sua negligência, e esta carteira torna-se enfadonha, além de enfadonho o ano que perdeu.

"Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a Terra"- Jesus – Mateus 5-4.

Agora imagine caro leitor, a Terra sem corruptos: corruptores e corrompidos! – Que herança!!! . Maravilha das maravilhas. Tudo em Paz. Todos operando no Bem. Sem violências e promiscuidades. Será que não foi este o paraíso que Adão e Eva perderam, por se deixarem levar pelas tentações, ou conduzidos pelas fraquezas ou imaturidade? Ou talvez, quem sabe, por estarem desafinados espiritualmente com o seu "habitat" foram banidos para um mundo inferior. Não teriam sido eles Capelinos?

Pelo menos a história contada pelos espíritos, através do Consolador prometido, é mais racional e atende melhor ao espírito da lógica. O Joio e o Trigo crescerão juntos, só na época da colheita que o joio será ceifado e atado e jogados no fogo que purifica.

Medite sobre o assunto, você também, caro leitor.

Os símbolos mal interpretados viram estórias dos contos de fadas. E você não é mais uma criança.

"Muitos os chamados, poucos os escolhidos"- Jesus.
Texto retirado do Livro O ovo de Colombo de Milled Assed

Nenhum comentário:

Postar um comentário